Alteração da iCVM 571 – Remuneração sobre a Renda

Nosso blog mais uma vez quer participar ativamente da melhoria do mercado e da evolução dos seus participantes.

Uma das maiores distorções trazida pela instrução que regula os FIIs, foi vincular as taxas às cotações; o impacto no resultado no financeiro já pode ser visto na maior parte dos grandes fundos e preocupa bastante em alguns deles.

O Trix iniciou a discussão aqui, passei o texto formatado para o amigo Ricardong que também fez sugestões e chegamos à essa petição, apresentada logo abaixo.

Pedimos à todos que preencham e enviem pelo portal da autarquia: http://sistemas.cvm.gov.br/?SAC

Aproveitamos também para abrir uma discussão aqui sobre tema, quem já puder contribuir com as estatísticas do impacto em algum fundo, por gentileza apresente aqui 🙂

Juntos somos mais Fortes!

Se você participa de alguma comunidade ou grupo de investidores, compartilhe o link (https://goo.gl/R2uXe8) deste post 

Para: Superintendência de Desenvolvimento de Mercado

Assunto: Alteração da Instrução CVM Nº 571 – Art. 36 (Remuneração sobre a Renda)

[Cidade], 06 de março de 2017

Prezado(s) Senhor(es),

Eu, [Nome], brasileiro, [Estado Civil], portador do RG xx.xxx.xxx-x e CPF xxx.xxx.xxx-xx, como cotista de Fundo Imobiliário e participante ativo desse mercado, sempre em busca de melhorias e atento às regulamentações da autarquia, solicito a apreciação de minha sugestão de mudança na INSTRUÇÃO CVM Nº 571, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2015, em especial no artigo 36, que se refere a remuneração do administrador de fundos.

Sugestão: Minha proposta de alteração visa a mudança da prioridade da base de calculo das taxas, para que esta não mais seja sobre o valor de mercado das cotas, mas sim que se priorize a aplicação do percentual a receita bruta, líquida ou sobre o rendimento distribuído.

Argumentação: Entendo ser esta a forma mais justa, pois vincula a remuneração do instituição administradora ao fluxo que indiretamente chega até nós cotistas, tornando-o assim um parceiro, com foco no bom desempenho operacional do FII e em maximizar o rendimento ao invés da cotação.

Esta forma também aproxima o segmento do mercado real, já que é a metodologia aplicada como remuneração dos administradores de imóveis, os quais recebem um percentual sobre o valor do aluguel praticado.

Outro ponto para o qual também solicito sua atenção, diz respeito a contratação de Formador de Mercado nos FIIs, restringindo sua contratação apenas em fundos onde o volume negociado em bolsa no último trimestre, seja inferior à 10% do fundo mais negociado no ano anterior. Tal contratação deverá também ser submetida e aprovada pelo cotista em assembleia.
 
Cordialmente,
[Nome]

Anúncios