4.911 comentários sobre “Notícias

  1. BR Properties acerta compra do edifício Imbuia, em Jarinu (SP)

    A BR Properties acertou nesta segunda-feira com a Morro Verde Incorporação Imobiliária a compra do edifício Imbuia, em Jarinu (SP), pelo valor de R$ 44,419 milhões.

    O ativo corresponde a cerca de 17% do Centro Empresarial Espaço Gaia Terra.

    Com a aquisição, a BR Properties informa que seu portfólio passa a ter 684.317 metros quadrados de área bruta locável.

    Curtir

    • Brasileiros usam cada vez mais o celular para transações bancárias. Ida às agências perde espaço

      Segundo levantamento do BC, 28% das transações realizadas em 2016 ocorreram por esses dispositivos

      O canal preferido pelos brasileiros para realizar transações bancárias em 2016 foi o computador pessoal, responsável por 33% das operações.

      Curtir

      • Mas os 16,7 bilhões de transações feitas em 2016 por equipamentos móveis, como celulares, mostram que esse canal tem ganhado cada vez mais a preferência dos brasileiros e já responde por 28% das operações.

        Em 2015, essa participação era de 19%.

        Os números fazem parte das Estatísticas de Pagamentos de Varejo e de Cartões no Brasil referentes a 2016, publicadas na semana passada.

        Curtir

      • PDVs da Caixa e do Bradesco podem levar a corte de 15 mil funcionários

        Dois bancos estão com programas de demissão voluntária que podem chegar a cortes de 15 mil funcionários nos próximos meses. A Caixa Econômica Federal (Caixa) reabriu hoje o Programa de Desligamento Voluntário Extraordinário (PDVE). O período de adesão vai até o dia 14 de agosto.

        O programa é voltado aos empregados que desejarem se desligar voluntariamente da empresa e que se enquadrem nas regras estabelecidas pela entidade. O objetivo é que o programa alcance 5,5 mil funcionários.

        Em fevereiro, foi aberto um PDV com o objetivo de alcançar 10 mil funcionários, dentre os cerca de 30 mil que trabalhavam na empresa. Segundo a Caixa, 4.429 participaram do programa no início do ano. Agora o programa espera completar os 10 mil, estabelecendo o limite de 5,5 mil desligamentos voluntários.

        Curtir

    • Mercado reduz previsões para inflação e juro básico, apura Focus

      Caíram novamente as expectativas para os juros neste ano, segundo o boletim Focus, do Banco Central.

      Na edição de hoje, a mediana das estimativas dos analistas de mercado para a Selic ao fim de 2017 caiu de 8,25% para 8%, na segunda semana consecutiva de queda.

      Para o fim de 2018, a aposta se manteve em 8%.

      Curtir

    • TOP 5 DO FOCUS SEGUE PROJETANDO CORTE DE 1 PONTO PORCENTUAL DA SELIC EM JULHO

      Brasília, 17/07/2017 – O grupo das cinco instituições que mais acertam projeções de médio prazo – o chamado Top 5 – seguiu projetando um corte de 1 ponto porcentual da Selic em julho, de 10,25% para 9,25% ao ano.

      Até duas semanas atrás, a mediana do Top 5 apontava um corte de 0,75 ponto porcentual, para 9,50% ao ano.

      Curtir

    • Governo desiste de reoneração e deve elevar imposto, dizem fontes

      (Bloomberg) — O Palácio do Planalto deixará que a Medida Provisória que reonera grandes setores da economia como indústria e serviços perca a validade após mudanças consideradas prejudiciais feitas pelo Congresso no texto enviado pelo governo, disseram quatro pessoas com conhecimento direto do assunto sob condição de anonimato.

      Curtido por 1 pessoa

  2. Saques em contas inativas do FGTS já somam R$ 41,8 bilhões, diz Caixa

    A Caixa Econômica Federal informou nesta sexta-feira (14) que já pagou mais de R$ 41,8 bilhões em saques de contas inativas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), equivalente a 96% do montante passível de retirada.

    Curtir

  3. Conheça a moeda de zero euros (sim, você não leu errado)!

    O Banco Central Europeu autorizou a emissão da cédula acima, de zero euros. Voltada a colecionadores, ela é produzida com o mesmo procedimento utilizado para notas que valem alguma coisa. Mas, apesar do valor igual a zero, ela não é de graça: é vendida por 2,50 euros na Alemanha.

    Curtir

    • Como isso é possível?

      A moeda nada mais é que um instrumento usado para fazer transações de compra e venda. Na história da humanidade, diversos bens serviram como moeda. Sal, ouro, prata, cigarros, etc. Isso é que se chama de moeda-mercadoria: além de facilitar trocas entre pessoas, esses bens têm usos alternativos. Por exemplo, ouro podia ser tanto usado como moeda (em operações de compra e venda), como para produzir joias.

      Hoje não se usa mais moeda-mercadoria. Temos, em todos os cantos do mundo, o que chamamos de moeda fiduciária. São cédulas e moedas metálicas que correspondem a dado valor. E essas cédulas e moedas servem unicamente para o propósito de facilitar transações entre compradores e vendedores. Não têm uso alternativo, como no caso de ouro, prata, sal etc.

      Curtir

    • Em geral, o governo de um país possui o monopólio da moeda fiduciária. Por exemplo, o governo brasileiro controla a quantidade de reais em circulação. Se algum outro agente produzir cédulas da nossa moeda, ele estará cometendo crime de falsificação.

      É uma vantagem da moeda fiduciária com relação à moeda-mercadoria. Como o governo controla a quantidade em circulação, também consegue afetar a taxa de inflação do país, mantendo-a em patamares aceitáveis.

      Esse controle é bem mais difícil no caso da moeda mercadoria. Isso porque a quantidade de moeda em circulação pode depender de mudanças na oferta e demanda da tal mercadoria. No caso do ouro, podemos citar descobertas de novas minas ou alterações na demanda para outros fins. Tudo isso mexe com a inflação no caso de moedas mercadorias, e está fora do controle do governo.

      Curtir

    • Só que essa vantagem da moeda fiduciária pode virar desvantagem, no caso de um governo que gasta muito mais do que arrecada, e acaba usando a impressão de moeda para pagar suas contas. É a receita para a hiperinflação.

      Isso nos traz de volta ao caso da nota de zero euros. Na verdade, ela é a antítese da moeda fiduciária, que não tem valor intrínseco, servindo apenas para fazer transações. A cédula de zero euros não serve para transações, afinal, seu valor de face é zero. Significa que não se consegue comprar nada com ela. Só que tem valor intrínseco, por exemplo, para colecionadores. Por isso tem gente disposta a pagar 2,50 euros por ela.

      Curtir

  4. TLP vai reduzir custos fiscais, promover eficiência nos investimentos, permitir juros menores para todos e fomentar o financiamento privado de longo prazo

    Mudança proposta terá impactos positivos sobre a dívida pública nacional e deve colaborar para a queda sustentada da taxa de juros estrutural da economia.

    A criação da Taxa de Longo Prazo (TLP), objeto da Medida Provisória 777, em tramitação no Congresso Nacional, altera a remuneração das operações de crédito concedidas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), substituindo a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP).

    Curtir

    • BlackRock reduz taxas e cria índices em esforço para se tornar “onipresente”

      NOVA YORK (Reuters) – A BlackRock, maior gestora de ativos do mundo, lançou nesta quinta-feira quatro fundos de títulos negociados em bolsa e reduziu as taxas de outros, em um esforço para atrair mais investidores a seus produtos de tradicionais mercados de dívida.

      Curtir

    • Índice Big Mac mostra que real é a quinta moeda mais cara do mundo

      O Brasil tem a quinta moeda mais valorizada do mundo, perdendo apenas para Suíça, Noruega, Suécia e Estados Unidos.

      A conclusão é tirada a partir do preço do Big Mac, o conhecido sanduíche da rede de fast food McDonald’s.

      O Brasil tem o quinto Big Mac mais caro do mundo: em dólares, custa US$ 5,10.

      Curtir

      • Veja como ficou o topo da lista:

        Na Suíça, o país em que o Big Mac é mais caro, o preço é de US$ 6,74;
        Na Noruega, segundo país com moeda mais valorizada, é de US$ 5,91;
        Na Suécia, terceiro país com moeda mais valorizada, é de US$ 5,82;
        O preço do lanche nos EUA é usado como base na pesquisa; atualmente, ele está em US$ 5,30, mais caro que no Brasil;
        O preço de US$ 5,10 no Brasil demonstra uma desvalorização de 3,7% do real em relação ao dólar.
        Se um sanduíche em determinado país for mais barato do que nos EUA, a moeda está desvalorizada em relação ao dólar. Caso contrário, se o sanduíche for mais caro que nos EUA, a moeda está valorizada.

        Entre os países pesquisados pela “Economist”‘, o sanduíche é mais barato em países como Ucrânia (US$ 1,70), Egito (US$ 1,75), Malásia (US$ 2) e África do Sul (US$ 2,26)

        Curtir

    • a turma do HSBC que sobrou, fizeram “a limpa” no último ano já…

      Um ano após comprar o HSBC, Bradesco lança plano de demissão voluntária

      Prazo de adesão vai até 31 de agosto e somente funcionários com mais de dez anos de casa ou tempo para aposentadoria poderão aderir ao plano de demissão

      Curtir

  5. to falando… Itaú vai dominar o mundo…

    Donos do Itaú compram a Alpargatas

    A Cambuhy, veículo de investimento da família Moreira Salles, a Itaúsa, holding das famílias Setúbal e Villela, e a Brasil Warrant, que pertence a Pedro Moreira Salles, fecharam ontem, por R$ 3,5 bilhões, a aquisição do controle da Alpargatas, da J&F, holding que controla a JBS

    Curtir

  6. JUROS FECHAM EM QUEDA FIRME COM REFORMA TRABALHISTA E CONDENAÇÃO DE LULA

    São Paulo, 12/07/2017 – Os juros futuros fecharam em baixa consistente ao longo de toda a curva nesta quarta-feira repleta de fatores a estimular a devolução de prêmios nos principais contratos.

    Pela manhã, o mercado já reagia positivamente ao placar folgado de aprovação da reforma trabalhista ontem no Senado e à tarde o movimento de queda das taxas ganhou reforço após a notícia de que o juiz Sérgio Moro condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a nove anos e seis meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, em primeira instância.

    Curtir

    • Ao final da sessão regular, a taxa do contrato de outubro de 2017 (198.010 contratos) fechou em 9,210%, de 9,255% no ajuste de ontem, e a taxa do DI janeiro de 2018 (170.235 contratos) caiu de 8,775% para 8,720%.

      A taxa do DI janeiro de 2019 (290.605 contratos) fechou em 8,64% – piso para este contrato em termos absolutos, ou seja, sem descontar a chamada taxa de carrego – ante 8,73% no ajuste de ontem.

      A taxa do DI janeiro de 2021 (274.730 contratos) encerrou a 9,76%, de 9,96%

      Curtir

    • Ministério diz que que imposto sindical já deixará de ser cobrado no ano que vem

      O imposto sindical cobrado anualmente dos trabalhadores com carteira assinada não será descontado do salário em 2018 após a aprovação da reforma trabalhista.

      A informação é do Ministério do Trabalho.

      Curtir

    • O juiz Sergio Moro condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a nove anos e meio de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

      A sentença, anunciada nesta quarta-feira, é a decisão derradeira de Moro no processo em que o petista foi acusado pela força-tarefa da Lava-Jato de receber propina da OAS, uma das empreiteiras do chamado clube do bilhão, que se refestelou nos últimos anos com contratos bilionários na Petrobras.

      Entre as vantagens recebidas por Lula, segundo a acusação, está um apartamento tríplex no balneário do Guarujá, em São Paulo. É a primeira vez que um ex-presidente do Brasil é condenado por corrupção.

      Curtir

  7. Reforma da CLT é aprovada e Jucá promete ajustes por MP

    O Senado aprovou, por 50 votos a favor e 26 contra, o texto que já havia sido aprovado pela Câmara dos Deputados. O projeto de lei, que modifica mais de cem pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), agora vai à sanção presidencial. Senadoras da oposição ocuparam Mesa por mais de sete horas

    Com sessão conturbada, a reforma trabalhista foi aprovada nesta terça-feira, 11, no plenário do Senado por 50 votos favoráveis e 26 contrários. Houve 1 abstenção em um quórum de 77 senadores.

    Curtir

    • Mercado avalia Selic ainda mais baixa

      As constantes surpresas do lado da inflação, o câmbio comportado e a piora das estimativas para a atividade econômica começam a provocar uma rodada de revisões de baixa para a taxa Selic.

      O boletim Focus divulgado nesta semana já trouxe nova redução dos prognósticos não só para este ano, como também para 2018.

      E, embora a mediana das projeções ainda contemple juro na casa de 8%, algumas grandes instituições já veem taxa na faixa de 7% ainda neste ano.

      Curtir

    • Aumento de imposto deve excluir o IOF

      O governo pode elevar o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e o PIS/Cofins sobre combustíveis ainda neste ano para cumprir a meta fiscal, disse ontem o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Fabio Kanczuk, em teleconferência com clientes do Credit Suisse

      Curtir

    • Para Arminio, saída de Temer não deve atrasar retomada econômica

      Arminio lançou ao debate a ideia de ampla privatização das empresas estatais, inclusive da Petrobras e do Banco de Brasil, velhas joias da coroa tratadas como tabus quando o assunto é privatização.

      “Se não estava claro até o caso da Petrobras, agora não pode haver mais dúvida de que esse modelo de estatal é muito vulnerável, cheio de problemas e precisa ser repensado. Eu não vejo, sinceramente, justificativa para se ter empresa estatal. Nenhuma”, disse ele, referindo-se ao propinoduto instalado na Petrobras e desvendado pela Operação Lava-Jato

      Curtir

    • Analistas projetam alta no varejo restrito pelo segundo mês seguido

      Para equipe do Santander, varejo parece ter deixado “pior momento para trás”

      Setor automotivo puxa produção industrial em maio

      Nova lei fundiária atualiza regra de alienação de imóveis

      Curtir

    • Para empresário, reforma vai reduzir ações; sindicato vê queda de salários

      Do lado favorável à aprovação da reforma trabalhista, entidades patronais afirmaram que as novas regras modernizam as relações entre empresas e empregados.

      Curtir

    • Acordo de socorro ao Rio deve ser assinado em 1º de agosto, diz Pezão

      O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), afirmou que o acordo do Rio de Janeiro com o Tesouro Nacional está quase concluído e que o Estado deve assinar a entrada no programa de recuperação fiscal, que garante a suspensão da dívida com a União por três anos e um empréstimo de R$ 3,5 bilhões, em 1º de agosto

      Curtir

    • Interlocutores do Palácio do Planalto têm espalhado que, caso Temer caia, o Brasil terá seu primeiro presidente nascido fora do país.

      Isso porque Rodrigo Maia nasceu em Santiago, no Chile, em 1970, quando seu pai, Cesar Maia, vivia no exílio. Maia, no entanto, não é chileno.

      Ele foi registrado no consulado do Brasil em Santiago.

      Curtir

    • Superintendência do Cade recomenda aprovar compra do Citibank pelo Itaú

      A superintendência-geral do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) recomendou ao tribunal da autarquia a aprovação da compra das operações de varejo do Citibank pelo Itaú Unibanco mediante assinatura de um acordo em controle de concentrações, segundo despacho publicado no Diário Oficial desta quarta-feira (12).

      Curtir

    • Caixa tem R$2 bi para setor privado em projetos de infraestrutura de Estados e municípios, diz presidente

      SÃO PAULO (Reuters) – O presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, afirmou nesta quarta-feira que o banco tem 2 bilhões de reais para financiar o setor privado em projetos de infraestrutura de Estados e municípios.

      Curtir

    • IPC-Fipe registra estabilidade na primeira medição de julho

      O Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe) deixou um aumento de 0,05% para zero da última medição de junho para a primeira leitura de julho.

      Curtir

    • Não está fácil mesmo… :/

      Hooters, fast food com garçonetes sensuais, fecha 3 das 4 unidades em SP

      A rede norte-americana de fast food Hooters, conhecida por ter garçonetes que vestem shorts curtos e regatas decotadas, fechou três unidades em São Paulo em dois anos.

      Curtir

    • Meirelles rejeita sugestão para mudar a TLP

      A conversa entre o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, sobre a medida provisória 777, que cria a Taxa de Longo Prazo (TLP) para substituir a TJLP foi clara: a equipe econômica não aceita mudanças na medida, elaborada pela Fazenda, Banco Central e Planejamento

      Curtir

      • Supersafra deve ser ainda maior este ano
        Agência Brasil 11/07/2017 – Wendel Alves de Souza

        A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou hoje (11), em Brasília, as estimativas do décimo levantamento da safra correspondente ao período 2016/17.

        A pesquisa foi realizada de 18 a 24 de julho em todas as regiões produtoras do país, através de diversas instituições e informantes cadastrados.

        Diferentemente dos dados divulgados em maio, que previa uma supersafra de 232 milhões de toneladas de grãos, a Conab informou que o número pode chegar a 237,2 milhões de toneladas.

        Uma produção recorde, com crescimento de 27,1% com relação ao período anterior.

        Curtir

    • Juro do cheque especial resiste em 13,46% ao mês em julho; crédito pessoal sobe para 6,37%

      Apesar da queda dos juros básicos, que já estão em 10,25% ao ano, e das taxas nos mercados futuros, os juros dos empréstimos nos bancos resistem a cair e até subiram em julho. É o que mostra pesquisa de taxas de juros realizada pelo Procon-SP em 4 de julho.

      A pesquisa mostrou que os juros médios do empréstimo pessoal subiram de 6,35% ao mês em junho para 6,37% em julho. Já no cheque especial, houve ligeira queda, de 13,47% para 13,46% ao mês, por conta de um banco que reduziu sua taxa. Fazem parte da pesquisa: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú, Safra e Santander.

      Curtir

    • Projeções de IPCA perto de 3% ganham força

      O choque favorável de alimentos e a demanda fraca tendem a levar a inflação a fechar 2017 na casa de 3% a 3,5%, um movimento que também conta com o efeito defasado do câmbio mais valorizado dos primeiros meses do ano e das expectativas inflacionárias bem ancoradas.

      Já há inclusive quem projete um Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) abaixo de 3% neste ano, como o Bank of America (BofA) Merrill Lynch, que cortou a estimativa para 2017 de 3,5% para 2,9%.

      São números bem mais baixos que a meta perseguida pelo Banco Central (BC), de 4,5%.

      Curtir

    • mas que Circo… que vergonha!

      Eunício apaga luzes do Senado e adia sessão da reforma trabalhista

      A sessão do Senado em que estava prevista a análise da reforma trabalhista nesta terça-feira (11) foi suspensa por volta do meio-dia depois que um protesto da oposição impediu o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), de sentar-se à mesa

      Curtir

    • Resultados de junho confirmam recuperação da economia, diz Meirelles

      O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta terça-feira (11), durante discurso no lançamento do Plano Safra, que dados preliminares da atividade econômica em junho apontam recuperação e frisou que a crise política não atinge a economia.

      Curtir

  8. Even divulga a prévia operacional do 2T17

    São Paulo, 10 de julho de 2017 – A Even Construtora e Incorporadora S.A. – EVEN (B3: EVEN3), com atuação em São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul e foco nos empreendimentos residenciais a partir de R$ 250 mil, anuncia dados preliminares e não auditados de lançamentos, vendas, aquisição de terrenos e entregas relativos ao segundo trimestre de 2017.

    Lançamentos¹
    Não houve lançamentos no segundo trimestre devido ao adiantamento para o primeiro trimestre dos lançamentos inicialmente previstos para o 2T17.

    Mesmo assim, no acumulado dos primeiros 6 meses do ano, os lançamentos superam o mesmo período de 2016.

    Curtir

    • Vendas¹
      Não havendo nenhum lançamento no trimestre, a totalidade das vendas foi de unidades em estoque, alcançando R$ 312 milhões (parte Even) e atingindo uma VSO (velocidade de vendas) de 12,5%, maior patamar de VSO de estoque dos últimos 14 trimestres.

      Land Bank¹
      No 2º trimestre, foram adquiridos majoritariamente por meio de permuta 2 novos terrenos com valor potencial de vendas de R$ 213 milhões (parte Even).

      O land bank encerrou o 2º trimestre com R$ 6,1 bilhões em VGV (parte Even).

      Entregas¹
      No 2º trimestre, foram entregues 4 projetos que equivalem a R$ 331 milhões (VGV de lançamento parte Even) e 626 unidades.

      Curtir

    • Vendas da Even sobem 17% no segundo trimestre, para R$ 312 milhões

      A Even informou nesta segunda-feira, em prévia operacional, que suas vendas somaram R$ 312 milhões no segundo trimestre, o que representa uma alta de 17% em relação ao mesmo período de 2016. Segundo a empresa, as vendas foram somente de unidades em estoques, uma vez que não houve lançamentos entre abril e junho.

      Curtir

    • “A deflação de junho ocorreu por fatores pontuais, como a queda da energia elétrica, gasolina e de alimentos. Não se espera deflação à frente. Mas a queda da inflação é uma tendência que veio para ficar e contribui para o bem-estar da população.”

      Ilan Goldfajn
      Presidente do BC

      Curtir

    • Poupança tem captação líquida positiva de R$ 6,08 bilhões em junho

      Valor supera captação registrada em meses anteriores de 2017 e também a registrada em junho de 2016. Liberações do FGTS ajudam a explicar resultado.

      O montante depositado em junho nas cadernetas de poupança superou em R$ 6,08 bilhões os recursos sacados.

      O valor líquido captado é expressivo se comparado tanto aos meses anteriores de 2017 – em maio, por exemplo, houve captação positiva de R$ 292,5 milhões – quanto a junho de 2016, quando houve captação líquida negativa de R$ 3,7 bilhões.

      O estoque ao final do período é de R$ 675 bilhões, ante R$ 665 bilhões em maio deste ano. Os números podem ser conferidos no Relatório de Poupança, divulgado pelo Banco Central na quinta-feira (6).

      Curtir

    • Economia resiste à piora da crise política

      Os indicadores de atividade já conhecidos do mês revelam sinais mistos e os relatos de empresas e analistas sugerem que, após o “susto” de maio, persistiu a expectativa de melhora em relação a 2016

      Curtir

    • Tornozeleiras, um negócio de futuro

      O mercado de tornozeleiras eletrônicas disparou por motivos óbvios e a empresa líder no setor, não por acaso, fica em Curitiba, sede da Operação Lava-Jato. Em um sinal dos tempos, as duas maiores empresas do ramo são otimistas quanto ao futuro dos negócios

      Curtir

    • Muito cética com a política, Verde Asset lança outro alerta sobre ativos de risco

      A gestora reforçou os riscos políticos, mas também apresentou um alerta no cenário externo, focando nas recentes sinalizações dos bancos centrais

      Curtir

    • Operadoras já estão em crise pelas modernidades das mídias… se começarem a reduzir a clientela que comprou o "Xing Ling" então…

      40 milhões de celulares irregulares podem ser bloqueados até dezembro

      Segundo o jornal O Globo, aparelhos sem IMEI válido serão informados a partir de setembro que serão bloqueados definitivamente

      Curtir

    • Cenário da inflação e exterior puxam juros futuros para baixo

      s juros futuros tiveram uma sessão de queda firme nesta terça-feira, movidos tanto pelo ambiente internacional, mais favorável ao risco, como à nova rodada de recuo das projeções para inflação.

      Curtir

    • Mundo Digital

      Cartões de crédito e débito movimentaram mais de R$ 1 trilhão em 2016

      O valor total das transações com cartões de crédito foi de R$ 674 bilhões e com cartões de débito foi de R$ 430 bilhões, representando aumento nominal de 3% e de 10%, respectivamente em 2016 em comparação com 2015.

      Os dados foram apresentados pelo Banco Central (BC).

      Em 2008, início da série, o cartão de crédito movimentava R$ 220 bilhões e o débito R$ 107 bilhões.

      Curtir

    • Mercado espera inflação e juros menores em 2017 e 2018

      Caíram as expectativas para a inflação e os juros neste e no próximo ano, segundo o boletim Focus, do Banco Central.

      O movimento ocorre após a divulgação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de junho, que caiu 0,23%, mais que o recuo de 0,17% esperado por economistas.

      Curtir

Não postar Links, nem referências à sites Externos, Emails, Telefones.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s