Internacional

REITs

Vivemos em um mundo globalizado e dinâmico,  onde as mudanças e oportunidades estão por toda parte.

Estamos aqui no Blog, sempre ligados nas tendências e a mais recente são as oportunidades de investimento fora do país.

Também buscamos atender sempre às solicitações dos amigos e esta foi com certeza a mais recorrente nos últimos dias.

Global

Vejo fundos de investimento sendo criados, focados no mercado externo, vejo a discussão cada vez mais incidente sobre os REITs ( os FIIs americanos ), vejo uma preocupação cada vez maior com o intervencionismo do governo e grandes investidores optando por ações de empresas em outros países.

São preocupações justificadas?  Saberemos aqui 😀

REITS

Se mais alguém tiver interesse por REITs (Real Estate Investment Trust ou FIIs americanos) e puder complementar …

Basicamente são de 3 tipos:

Os de Hipoteca (Mortgage), os de Investimento (Equity REITs) e os Híbridos (uma mistura dos dois).

Mortgage REITs: possuem retornos maiores, devido ao risco maior a que se expõem. Quem lembra da crise recente, as hipotecas são justamente onde o fato explodiu. São equivalentes aos financiamentos, podem proporcionar grandes retornos ou grandes perdas.

Equity REITs: esses seriam os mais próximos que temos em relação aos nossos FIIs, onde o objetivo é a exploração do imóvel para aluguel e obtenção de renda.

Hybrid REITs: Mais ou menos um FII de FIIs de lá, onde ambos os tipos são mesclados, aproveitando o que de melhor cada um tem e tentando minimizar o que há de pior (risco).

o recebimento dos rendimentos também é bem complicadinho; aqui nosso rendimento é isento e divididos em Amortização ou Rendimento. Lá existe um terceiro tipo que separa o ganho de capital ( Rendimento de Aluguel, Amortização e Ganho de Capital ).

o imposto depende da sua renda.

Mais informações:

http://www.investopedia.com/terms/r/reit.asp

http://www.reit.com

http://us.spindices.com/indices/equity/sp-united-states-reit-us-dollar

Tributos Envolvidos

http://seekingalpha.com/article/1233411-understanding-the-taxation-of-reit-distributions

Lista de REITS

http://www.reit.com/Investing/ListofREITFunds/MutualFunds.aspx

Busca de Dividendos

http://www.dividend.com

http://www.dividendchannel.com/slideshows/?slideshow=mreits&page=1

* Contribuição do amigo Eric:

“eu vejo nesse site http://www.dividend.com, como por exemplo o OLP http://www.dividend.com/dividend-stocks/financial/real-estate-development/olp-one-liberty-properties/ tem os rendimentos recentes e para quem paga tem o histórico.”

* Contribuição do XReis:  Top REITs

http://money.usnews.com/funds/etfs/rankings/real-estate-funds  

* Contribuição do Trix

O que qualifica uma empresa como um REIT?

• Invistir em pelo menos 75 % de seus ativos totais no setor imobiliário;
• Deduzir pelo menos 75 % de sua receita bruta de aluguéis de imóveis, juros sobre hipotecas de financiamento imobiliário ou de venda de imóveis;
• Pagar pelo menos 90 % de sua renda tributável na forma de dividendos aos acionistas em cada ano como, resultado, REITs não podem geralmente deixar de distribuir seus ganhos;
• Ser uma entidade que é tributável como uma corporação;
• Ser gerida por um conselho de diretores ou administradores;
• Ter um mínimo de 100 acionistas e não ter mais de 50 % de suas ações detidas por cinco ou menos pessoas.

438 comentários sobre “Internacional

  1. The Walter Schloss Approach to Investing

    Walter Schloss was one of the most successful investors of all time, but outside a small portion of the value investing community no one knows the name. Mr. Schloss studied under Benjamin Graham at Columbia University and eventually went to work for Graham at the Graham Newman Partnership. In 1955 he struck out on his own and compiled one of the best track records in the history of investing. Over a 50-year span he earned gross returns averaging 20% annually. His method emphasized buying cheap stocks with solid financials and holding them until they were considered overvalued. Mr. Schloss emphasized price-to-book value as the best measure of a corporation’s value and preferred buying stocks that traded below book value.

    In 1994, Walter Schloss sat down and outlined his thoughts on making money in markets to serve as a guide to newer investors or those without in-depth knowledge of the value investing process. The result was one typed page listing the 16 factors needed to make money in the stock market. (For related reading, see: How to Get a Job on Wall Street.)

    The 16 Factors for Investing Success

    The 16 factors for investing success as stated by Walter Schloss:

    1. Price is the most important factor to use in relation to value.

    2. Try to establish the value of the company. Remember that a share of stock represents a part of a business and is not just a piece of paper.

    3. Use book value as a starting point to try and establish the value of the enterprise. Be sure that debt does not equal 100% of the equity.

    4. Have patience. Stocks don’t go up immediately.

    5. Don’t buy on tips or for a quick move. Let the professionals do that, if they can. Don’t sell on bad news.

    6. Don’t be afraid to be a loner but be sure that you are correct in your judgment. You can’t be 100% certain but try to look for weaknesses in your thinking. Buy on a scale and sell on a scale up.

    7. Have the courage of your convictions once you have made a decision.

    8. Have a philosophy of investment and try to follow it.

    9. Don’t be in too much of a hurry to sell. If the stock reaches a price that you think is a fair one, then you can sell but often because a stock goes up say 50%, people say sell it and button up your profit. Before selling try to reevaluate the company again and see where the stock sells in relation to its book value. Be aware of the level of the stock market. Are yields low and P/E ratios high?

    10. When buying a stock, I find it helpful to buy near the low of the past few years. A stock may go as high as 125 and then decline to 60 and you think it’s attractive. Three years before the stock sold at 20 which shows that there is some vulnerability in it.

    11. Try to buy assets at a discount rather than buying earnings. Earnings can change dramatically in a short time. Usually assets change slowly. One has to know much more about a company if one buys earnings.

    12. Listen to suggestions from people you respect. This doesn’t mean you have to accept them. Remember, it’s your money and generally it is harder to keep money than to make it. Once you lose a lot of money it is hard to make it back.

    13. Try not to let your emotions affect your judgment. Fear and greed are probably the worst emotions to have in connection with the purchase and sale of stocks.

    14. Remember the word compounding. For example, if you can make 12% a year and reinvest the money back, you will double your money in six years, taxes excluded. Remember the rule of 72. Your rate of return into 72 will tell you the number of years to double your money.

    15. Prefer stocks over bonds. Bonds will limit your gains and inflation will reduce your purchasing power.

    16. Be careful of leverage. It can go against you.

    Simple Rules for Outstanding Success
    These rules may be simplistic but they helped build one of the greatest track records in the history of the stock market. Walter Schloss had a one-room office that was actually located inside the offices of Tweedy Brown, a much larger value investing firm. He never used a computer relying instead on the Standard and Poor’s Stocks guide and Value Line to find his stock ideas. He didn’t rely on complicated algorithms or formulas. He didn’t talk to corporate management as he trusted the numbers far more than people when evaluating a company for purchase.

    The Bottom Line
    The Walter Schloss approach to value investing was developed while first studying under and then working for Benjamin Graham. It worked for more than 50 years and the careful application of his principles should enable investors to earn stock markets profits even in today’s more complicated financial markets.

    By Timothy Melvin

    Curtido por 2 pessoas

  2. Forests Are a Treasure. But Are They Good Investments?

    Trees don’t watch the stock market. Forests keep growing — and potentially increasing their value — even when inflation surges or the market swoons.

    Big investors, like university endowments and insurance companies, have long allocated money to timberland in places like Oregon’s fir-and-spruce forests, Georgia’s pine plantations and Appalachia’s hardwood groves.

    Until a few years ago, retail investors were mostly shut out of this market. The deals were too big, involving thousands of acres and tens of millions of dollars.

    That changed over the last 15 years with the introduction of two timber-focused E.T.F.s — the iShares Global Timber & Forestry E.T.F. and the Guggenheim MSCI Global Timber E.T.F. — and the evolution of big forest-products companies like Weyerhaeuser and Rayonier. Today, the big timber companies are organized as real estate investment trusts (R.E.I.T.s) focused on managing forestlands, having sold off many other operations.
    Continue reading the main story

    Ordinary investors can now put money into timber without venturing into the woods. Buying shares of an E.T.F. or a R.E.I.T. won’t replicate the benefits of directly owning vast timberlands, but it does enable one to bet on timber.

    And there’s an old-fashioned option: buying a little woodlot of one’s own. That’s more akin to a part-time job than a passive investment, but it can yield financial gains.

    “If you look at the statistics from the U.S. South, close to two-thirds of the timber harvest is coming from small landowners,” said Robert G. Flynn, director, international timber, for RISI, a forest-products research firm.

    The E.T.F.s are more diversified than their names suggest. They do own timber companies: Both of them count Weyerhaeuser, Rayonier and Potlatch, the leading R.E.I.T.s, among their holdings. But they also invest in International Paper, packaging-maker WestRock and (in Guggenheim’s case) Sealed Air, which is perhaps best known for plastic Bubble Wrap.

    “Investors should always buy an E.T.F. with their eyes open and understand that some things that come with the package may not be what they had in mind,” said Todd L. Rosenbluth, director of E.T.F. and mutual fund research at CFRA, an investment research company.

    In terms of returns, the E.T.F.s have looked more like spindly saplings than strong sequoias. The Guggenheim fund failed to match the S.&P. 500’s return in the last three calendar years, and the iShares fund failed to do so in 2014 and 2015. Last year, the Guggenheim fund returned 5.7 percent while the iShares fund returned 10.8 percent, compared with 12 percent for the S.&P., including dividends.

    William H. Belden III, head of E.T.F. business development for Guggenheim Investments, said his company’s timber E.T.F. targeted a subsector. “Timber is a proxy for the economy and how it’s doing, especially construction and home building,” he said. Some investors want to emphasize timber in their portfolios, and a focused E.T.F. lets them do that, Mr. Belden said.

    Owning shares of timber R.E.I.T.s is a more direct, if riskier, way to wager on the woods. These companies own forests across the United States. Weyerhaeuser’s roughly 13 million acres approximate the combined area of New Hampshire and Vermont. Weyerhaeuser and Rayonier also have land abroad, the former operating in Uruguay and the latter in New Zealand. Potlatch owns only domestic timberlands.

    Daniel P. Rohr, an analyst Morningstar, called the R.E.I.T.s a “pretty good substitute” for timberland ownership “because the assets are the same.” In both cases, cash flows from the forest, either through the harvest of logs or the sale of land. He cautioned that whenever people buy shares in a single R.E.I.T. or any individual stock, they’re taking on company-specific investment risks, like potential bankruptcy. “If I’m owning a timberland R.E.I.T., it’s because I’m bullish on U.S. housing, not because I want to add diversification to my portfolio,” Mr. Rohr said.

    Campbell R. Harvey, an economist at Duke University, likewise warned that timber doesn’t improve a portfolio’s likely return or dampen its risk. Commodities, like timber, can help protect investments against “an unexpected burst of inflation,” he said. But timber should be part of a broader commodities fund or E.T.F. that may also invest in oil, natural gas, metals and other agricultural products. “It’s unwise to think timber alone fills the bucket for commodities,” he said. “That’s analogous to holding 100 shares of I.B.M. and calling that your equity portfolio.”

    If investing in a timber E.T.F. or R.E.I.T. can be risky, buying a woodlot is more so. A fire, windstorm or insect infestation can fell your trees (and your investment) in short order. And while timber has produced gains for institutional investors — the National Council of Real Estate Investment Fiduciary’s Timberland Index has returned an annualized average of about 12 percent since 1986 — small buyers shouldn’t expect that.
    Photo

    “I’d say it’s not until you get into a $1 million-plus range that you’d start getting into properties that are mostly driven by their investment return,” said Jim W. Hourdequin, managing director of Lyme Timber, in Hanover, N.H.

    Yet owning a 100- or 200-acre woodlot can make sense for someone who enjoys the land for reasons beyond its financial return, said Tom D. Martin, president of the American Forest Foundation.

    Mr. Martin and his sister have 200 acres in northern Wisconsin, and they harvest some of their hardwoods, mainly sugar maples and red oaks, every dozen years or so. The income covers taxes, insurance and road-maintenance costs. In the meantime, their families bunk in the cabin on the property. “The memories and the wildlife are the richest return,” he said.

    When a novice decides to buy timberland, the first step is hiring a forester, who can help select a plot, said Keith A. Argow, president of the National Woodland Owners Association in Vienna, Va. The forester will evaluate the trees and their quality, the soils and other growing conditions, and even the proximity to potential customers like sawmills, he said. Assuming you find the right property for a good price, you then must manage it. A forester will also help devise a plan for that, including when to harvest and how much.

    A management plan can help owners tap into other sources of cash, like leasing hunting rights or participating in state programs that provide tax abatements for, say, improving wildlife habitat or water quality, said Raymond A. Lamberton, president of New England Forestry Consultants. In the Northeast, someone with sugar maples might sell maple syrup. But all of those income streams probably won’t add up to big return. “Where you’ll make the money on is reselling the land,” Mr. Lamberton said.

    Daniel E. Crocker, an educational administrator in Bangor, Me., didn’t acquire his woodland, in nearby Exeter, Me., to harvest timber. He and his wife, Chris, bought their first 40 acres, in 2002, because they wanted a place to cross-country ski, cut Christmas trees and watch wildlife with their two children.

    A few years later, they bought two adjacent parcels, bringing their total holdings to 96 acres and total cost to about $75,000. The land hadn’t been logged in 25 or 30 years, and they realized that selling timber could bring in cash, Mr. Crocker said. They’ve since harvested twice, netting about $15,000, he said. The proceeds have been reinvested in the property, in the form of a trout pond, a road and improvements to the wildlife habitat.

    “You’re not going to fund your kid’s education or retire at 55 this way,” he said. “But you can supplement your income.”

    Though the Crockers are generating cash, the biggest return has been physical and emotional, Mr. Crocker said. Right now, the softwood market, mostly firs and spruce in Maine, he said, “has gone belly up, but I’ll still be cross-country skiing on our property on Saturday morning, and we can still make maple syrup there.”

    By TIM GRAYJAN. jan 13, 2017

    Curtir

  3. ‘Boring’ stocks get more exciting as Trump rally fades

    CHAPEL HILL, N.C. (MarketWatch) — The two-plus months since Donald Trump’s election has been exciting for stock market investors. Still, they need to be reminded that boredom has its virtues too.

    That’s because excitement works both ways: The stocks that perform best when the market is rising tend to fall the most when the market heads south. We tend to forget that after the market has mounted an impressive rally.

    So, with anxiety about the Trump rally stalling, now is an especially good time to remember that low-volatility stocks are the opposite of exciting: Though they lag behind during rallies, they usually beat the market when it’s falling. They therefore hold their own over an entire market cycle, if not come out well ahead.

    A column on this subject would not have been necessary as recently as this past summer and fall. That’s because low-volatility approaches at that time were riding a crest of popularity; exchange traded funds that employ such approaches were amassing huge sums. No fewer than six such ETFs, for example, each had over $2 billion in assets under management.

    The period since the election in early November has taken some of the wind out of those ETFs’ sails. Since Nov. 8, the S&P 500 Index SPX, -0.43% has gained an impressive 6.3% and the Nasdaq Composite 7.3%. The lowest-volatility stocks in the S&P 500, in contrast, have gained only 2.8%.

    Yet this market-lagging performance is precisely what history teaches us would happen, as you can see from the accompanying chart. On average during the last three bull markets (as identified by Ned Davis Research), the S&P 500 Low Volatility Index has risen 58.9% versus 71.8% for the S&P 500.

    It’s during bear markets, of course, that low-volatility approaches tend to shine. On average during the past three bear markets, the S&P Low Volatility Index has fallen 15.2%, compared with 29.5% for the S&P 500.

    Due to the magic of compounding, these smaller losses more than make up for the market-trailing returns during bull markets. Over the past decade, for example, the S&P 500 Low Volatility Index has beaten the S&P 500 by an annualized margin of 8.5% to 7% (on a dividend-adjusted basis).

    Beating the market by 1.5 percentage points a year would be reason enough to consider such stocks. But there’s an added bonus as well: They’re also less volatile. That’s very much a winning combination.

    To pursue a low-volatility stock strategy, however, you must be willing to give up the potential for some upside excitement. With the market at all-time highs, that’s something you should seriously consider.

    Think of it this way: A low-volatile-stock strategy, in effect, allows you to take some chips off the table without giving up on the stock market as a whole.

    Probably the easiest way to pursue such a strategy is via an ETF, since it’s important to be well-diversified. The two largest such ETFs are the PowerShares S&P 500 Low Volatility ETF SPLV, +0.21% (which is benchmarked to the index of the same name), and the iShares Edge MSCI Minimum Volatility USA ETF USMV, +0.09% (which is benchmarked to the MSCI USA Minimum Volatility Index). The former has an expense ratio of 0.25%, while the latter’s is 0.15%.

    Though the indices to which these ETFs are benchmarked are slightly different, and each employs different algorithms when determining which stocks are deemed low volatility, in practice there is a large overlap between their two portfolios. The following six stocks, for example, are each within the top 10 holdings of both ETFs:

    • AT&T T, +0.01%

    • Johnson & Johnson JNJ, +0.13%

    • McDonald’s MCD, +0.88%

    • PepsiCo PEP, +0.44%

    • United Parcel Service UPS, -0.37%

    • Verizon Communications VZ, +0.42%

    (fonte: Marketwatch)

    Curtido por 2 pessoas

  4. As florestas são um tesouro. Mas são bons investimentos?

    As árvores não prestam atenção ao mercado conservado em estoque. As florestas continuam crescendo – e potencialmente aumentam seu valor – mesmo quando a inflação cresce ou o mercado desmaia.

    Grandes investidores, como doações de universidades e de seguros empresas, há muito tempo alocado dinheiro para Timberland em lugares como florestas fir-e-abeto do Oregon, plantações de pinheiros da Geórgia e bosques de madeira de Appalachia.

    Até alguns anos atrás, os investidores de varejo eram na maior parte fechados para fora deste mercado. Os negócios eram muito grandes, envolvendo milhares de hectares e dezenas de milhões de dólares.

    Isso mudou ao longo dos últimos 15 anos com a introdução de dois ETFs focada-madeireiros – o iShares global de madeira e silvicultura ETF eo Timber ETF Guggenheim MSCI global – ea evolução de Forest-produtos grandes empresas como a Weyerhaeuser e Rayonier . Hoje, as grandes empresas madeireiras estão organizadas como fundos de investimento imobiliário (REITs) focados na gestão de florestas, tendo vendido muitas outras operações.

    Investidores comuns agora podem colocar dinheiro em madeira sem se aventurar na floresta. A compra de ações de uma ETF ou um REIT não vai replicar os benefícios de possuir diretamente vastas timberlands, mas não permitir que se apostar em madeira.

    E há uma opção antiquada: comprar um pequeno bosque de um. Isso é mais parecido com um trabalho a tempo parcial do que um investimento passivo, mas pode render ganhos financeiros.

    “Se você olhar para as estatísticas do sul dos EUA, cerca de dois terços da colheita de madeira vem de pequenos proprietários de terras”, disse Robert G. Flynn, diretor de madeira internacional da RISI, uma empresa de pesquisa de produtos florestais.

    Os ETFs são mais diversificados do que seus nomes sugerem. Eles possuem empresas madeireiras: ambos contam Weyerhaeuser, Rayonier e Potlatch, os principais REITs, entre suas participações. Mas também investem na International Paper, fabricante de embalagens WestRock e (no caso da Guggenheim) Sealed Air, que talvez seja mais conhecida pelo plástico Bubble Wrap.

    “Os investidores devem sempre comprar um ETF com os olhos abertos e entender que algumas coisas que vêm com o pacote pode não ser o que eles tinham em mente”, disse Todd L. Rosenbluth, diretor da ETF e pesquisa de fundo mútuo em CFRA , uma pesquisa de investimento Empresa.

    Em termos de retornos, os ETFs se pareciam mais com mudas espinhosas do que sequóias fortes. O fundo Guggenheim não conseguiu igualar o S & P. 500 no terceiro ano civil, eo fundo iShares não conseguiu fazê-lo em 2014 e 2015. No ano passado, o fundo Guggenheim retornou 5,7 por cento enquanto o iShares fundo retornou 10,8 por cento, em comparação com 12 por cento para o S & P, Incluindo dividendos.

    William H. Belden III, chefe de desenvolvimento de negócios ETF para investimentos Guggenheim, disse ETF madeira de sua empresa como alvo um subsector. “A madeira é um proxy para a economia e como ela está fazendo, especialmente construção e construção de casa”, disse ele. Alguns investidores querem enfatizar a madeira em suas carteiras, e um ETF focado lhes permite fazer isso, disse Belden.

    Possuir partes de REITs da madeira é uma maneira mais direta, se mais arriscada, de apostar na floresta. Essas empresas possuem florestas nos Estados Unidos. Weyerhaeuser cerca de 13 milhões de acres aproximar a área combinada de New Hampshire e Vermont. Weyerhaeuser e Rayonier também possuem terras no exterior, a primeira operando no Uruguai e a segunda na Nova Zelândia. Potlatch possui apenas madeira timberlands doméstica.

    Daniel P. Rohr, um analista da Morningstar, chamou os REITs de “um substituto muito bom” para a propriedade madeireira “porque os ativos são os mesmos.” Em ambos os casos, os fluxos de caixa da floresta, seja através da colheita de toras ou a venda de terra. Ele advertiu que sempre que as pessoas compram ações em um único REIT ou em qualquer ação individual, estão assumindo riscos de investimento específicos da empresa, como falência potencial. “Se eu sou proprietário de um REIT de Timberland, é porque eu sou otimista em EU habitação, não porque eu quero adicionar diversificação para o meu portfólio”, disse Rohr.

    Campbell R. Harvey, economista da Duke University, também advertiu que a madeira não melhora o retorno provável de uma carteira ou amortece seu risco. Commodities, como a madeira, pode ajudar a proteger os investimentos contra “uma explosão inesperada da inflação”, disse ele. Mas a madeira deve ser parte de um fundo mais amplo de commodities ou ETF, que também poderá investir em petróleo , gás natural, metais e outros produtos agrícolas. “É imprudente pensar que a madeira sozinha enche o balde de commodities”, disse ele. “Isso é análogo à realização de 100 ações da IBM e chamar a sua carteira de ações.”

    Se investir em um ETF de madeira ou REIT pode ser arriscado, comprar um woodlot é mais assim. Um fogo, windstorm ou infestação de insetos pode derrubar suas árvores (e seu investimento) em ordem curta. E enquanto a madeira tem produzido ganhos para os investidores institucionais – o Conselho Nacional de Investimento Imobiliário do Índice Fiduciário Timberland retornou uma média anualizada de cerca de 12 por cento desde 1986 – os pequenos compradores não devem esperar isso.

    “Eu diria que não é até que você entre em uma faixa de US $ 1 milhão-mais que você começaria começar em propriedades que são conduzidas principalmente por seu retorno de investimento”, disse Jim W. Hourdequin, diretor de Lyme Timber, em Hanover, NH.

    Contudo possuir um woodlot de 100 ou 200 acres pode fazer o sentido para alguém que aprecia a terra para razões além de seu retorno financeiro, disse Tom D. Martin, presidente da fundação americana da floresta.

    Martin e sua irmã têm 200 acres no norte de Wisconsin, e eles colhem algumas de suas madeiras, principalmente maços de açúcar e carvalhos vermelhos, cada dúzia de anos ou assim. Os rendimentos cobrem impostos, seguro e custos de manutenção de estrada. Entretanto, as suas famílias beliche na cabine na propriedade. “As memórias ea vida selvagem são o retorno mais rico”, disse ele.

    Quando um novato decide comprar madeira, o primeiro passo é contratar um florestal, que pode ajudar a selecionar um enredo, disse Keith A. Argow, presidente da National Woodland Owners Association em Viena, Virgínia. O florestal avaliará as árvores e sua qualidade , Os solos e outras condições de crescimento, e até mesmo a proximidade de potenciais clientes como serrarias, disse ele. Supondo que você encontrar a propriedade certa para um bom preço, você deve gerenciá-lo. Um florestal também ajudará a elaborar um plano para isso, incluindo quando colher e quanto.

    A management plan can help owners tap into other sources of cash, like leasing hunting rights or participating in state programs that provide tax abatements for, say, improving wildlife habitat or water quality, said Raymond A. Lamberton, president of New England Forestry Consultants. In the Northeast, someone with sugar maples might sell maple syrup. But all of those income streams probably won’t add up to big return. “Where you’ll make the money on is reselling the land,” Mr. Lamberton said.

    Daniel E. Crocker, um administrador educacional em Bangor, Me., Não adquiriu sua floresta, em Exeter próximo, Me., Para colher a madeira. Ele e sua esposa, Chris, compraram seus primeiros 40 acres, em 2002, porque queriam um lugar para esqui cross-country, cortar árvores de Natal e observar a vida selvagem com seus dois filhos.

    Alguns anos mais tarde, eles compraram duas parcelas adjacentes, trazendo suas propriedades totais para 96 ​​acres e custo total para cerca de US $ 75.000. A terra não tinha sido registrada em 25 ou 30 anos, e eles perceberam que a venda de madeira poderia trazer em dinheiro, disse Crocker. Eles já colheram duas vezes, compensando cerca de US $ 15.000, ele disse. Os rendimentos foram reinvestidos na propriedade, sob a forma de uma lagoa da truta, de uma estrada e de umas melhorias ao habitat dos animais selvagens.

    “Você não vai financiar a educação de seu filho ou se aposentar a 55 anos dessa maneira”, disse ele. “Mas você pode complementar sua renda.”

    Embora os Crockers estão gerando dinheiro, o maior retorno tem sido físico e emocional, disse Crocker. Neste momento, o mercado de madeira macia, principalmente abetos e abetos no Maine, ele disse, “foi barriga para cima, mas eu ainda vou estar esqui cross-country em nossa propriedade na manhã de sábado, e ainda podemos fazer xarope de bordo lá.

    Por TIM GRAY JAN. 13, 2017

    Curtir

  5. A Abordagem Walter Schloss para Investir

    Walter Schloss foi um dos mais bem sucedidos investidores de todos os tempos, mas fora de uma pequena parcela do valor investir comunidade ninguém sabe o nome. Schloss estudou com Benjamin Graham na Universidade de Columbia e, eventualmente, foi trabalhar para Graham na Graham Newman Partnership. Em 1955 ele bateu sozinho e compilou um dos melhores recordes na história do investimento. Durante um período de 50 anos, ele ganhou retornos brutos com média de 20% ao ano. Seu método enfatizava comprar ações baratas com finanças sólidas e mantê-las até serem consideradas sobrevalorizadas. Schloss enfatizou o valor de preço para livro como a melhor medida do valor de uma corporação e preferiu comprar ações que negociavam abaixo do valor contábil.

    Em 1994, Walter Schloss sentou-se e esboçou seus pensamentos em ganhar dinheiro nos mercados para servir como um guia para investidores mais novos ou aqueles sem conhecimento aprofundado do processo de investimento de valor. O resultado foi uma página digitada listando os 16 fatores necessários para ganhar dinheiro no mercado de ações.

    Os 16 Fatores para o sucesso Investir

    Os 16 fatores para investir o sucesso como afirmado por Walter Schloss:

    1. O preço é o fator mais importante a ser usado em relação ao valor.

    2. Tentar estabelecer o valor da empresa. Lembre-se que uma parcela de ações representa uma parte de um negócio e não é apenas um pedaço de papel.

    3. Use o valor contábil como ponto de partida para tentar estabelecer o valor da empresa. Certifique-se de que a dívida não é igual a 100% do capital próprio.

    4. Ter paciência. Stocks não sobem imediatamente.

    5. Não compre em pontas ou para um movimento rápido. Deixe que os profissionais façam isso, se puderem. Não venda em más notícias.

    6. Não tenha medo de ser um solitário, mas tenha certeza de que você está correto em seu julgamento. Você não pode ser 100% certo, mas tentar olhar para as fraquezas em seu pensamento. Comprar em uma escala e vender em uma escala para cima.

    7. Ter a coragem de suas convicções uma vez que você tomou uma decisão.

    8. Ter uma filosofia de investimento e tentar segui-lo.

    9. Não tenha muita pressa para vender. Se o estoque atinge um preço que você acha que é justo, então você pode vender, mas muitas vezes porque um estoque sobe dizer 50%, as pessoas dizem vendê-lo e abotoar o seu lucro. Antes de vender tentar reavaliar a empresa novamente e ver onde a ação vende em relação ao seu valor contábil. Esteja ciente do nível do mercado de ações. Os rendimentos são baixos e os índices P / E elevados?

    10. Ao comprar um estoque, eu acho útil para comprar perto do baixo dos últimos anos. Um estoque pode ir tão altamente quanto 125 e declinar então a 60 e você pensa que é atrativo. Três anos antes do estoque vendido em 20 que mostra que há alguma vulnerabilidade nele.

    11. Tente comprar ativos com desconto em vez de comprar ganhos. Os ganhos podem mudar drasticamente em pouco tempo. Normalmente activos mudar lentamente. Um tem que saber muito mais sobre uma companhia se um compra rendimentos.

    12. Ouça as sugestões de pessoas que você respeita. Isso não significa que você tem que aceitá-los. Lembre-se, é o seu dinheiro e geralmente é mais difícil manter dinheiro do que fazê-lo. Uma vez que você perde muito dinheiro, é difícil recuperá-lo.

    13. Tente não deixar suas emoções afetar seu julgamento. Medo e ganância são provavelmente as piores emoções para ter em conexão com a compra e venda de ações.

    14. Lembre-se da palavra composição. Por exemplo, se você puder fazer 12% ao ano e reinvestir o dinheiro de volta, você vai dobrar seu dinheiro em seis anos, impostos excluídos. Lembre-se a regra de 72. Sua taxa de retorno em 72 irá dizer-lhe o número de anos para dobrar seu dinheiro.

    15. Preferir ações sobre obrigações. As ligações limitarão seus ganhos ea inflação reduzirá seu poder de compra.

    16. Tenha cuidado com a alavancagem. Pode ir contra você.

    Regras simples para um sucesso excepcional
    Estas regras podem ser simplista, mas eles ajudaram a construir um dos maiores registos na história do mercado de ações. Walter Schloss tinha um escritório de uma sala que estava realmente localizado dentro dos escritórios da Tweedy Brown, uma empresa de investimento de valor muito maior. Ele nunca usou um computador confiando, em vez disso, no guia Standard and Poor’s Stocks e Value Line para encontrar suas idéias de ações. Ele não confiava em algoritmos ou fórmulas complicados. Ele não falar com a gerência corporativa como ele confiou os números muito mais do que as pessoas quando se avalia uma empresa para a compra.

    A linha de fundo
    A abordagem de Walter Schloss para investir valor foi desenvolvida enquanto estudava pela primeira vez e depois trabalhava para Benjamin Graham. Ele trabalhou por mais de 50 anos ea aplicação cuidadosa de seus princípios deve permitir que os investidores para ganhar lucros nos mercados de ações, mesmo nos mercados financeiros mais complicados de hoje.

    Por Timothy Melvin

    Curtir

  6. The 3 Most Timeless Investment Principles

    Warren Buffett is widely considered one of the greatest investors of all time, but if you were to ask him whom he thinks is the greatest investor, he would probably mention one man: his teacher, Benjamin Graham. Graham was an investor and investing mentor who is generally considered the father of security analysis and value investing.

    His ideas and methods on investing are well documented in his books “Security Analysis” (1934) and “The Intelligent Investor” (1949), which are two of the most famous investing texts. These texts are often considered requisite reading material for any investor, but they aren’t easy reads. In this article, we’ll condense Graham’s main investing principles and give you a head start on understanding his winning philosophy.

    Principle #1: Always Invest with a Margin of Safety
    Margin of safety is the principle of buying a security at a significant discount to its intrinsic value, which is thought to not only provide high-return opportunities, but also to minimize the downside risk of an investment. In simple terms, Graham’s goal was to buy assets worth $1 for 50 cents. He did this very, very well.

    To Graham, these business assets may have been valuable because of their stable earning power or simply because of their liquid cash value. It wasn’t uncommon, for example, for Graham to invest in stocks where the liquid assets on the balance sheet (net of all debt) were worth more than the total market cap of the company (also known as “net nets” to Graham followers). This means that Graham was effectively buying businesses for nothing. While he had a number of other strategies, this was the typical investment strategy for Graham.

    This concept is very important for investors to note, as value investing can provide substantial profits once the market inevitably re-evaluates the stock and ups its price to fair value. It also provides protection on the downside if things don’t work out as planned and the business falters. The safety net of buying an underlying business for much less than it is worth was the central theme of Graham’s success. When chosen carefully, Graham found that a further decline in these undervalued stocks occurred infrequently.

    While many of Graham’s students succeeded using their own strategies, they all shared the main idea of the “margin of safety.”

    Principle #2: Expect Volatility and Profit from It
    Investing in stocks means dealing with volatility. Instead of running for the exits during times of market stress, the smart investor greets downturns as chances to find great investments. Graham illustrated this with the analogy of “Mr. Market,” the imaginary business partner of each and every investor. Mr. Market offers investors a daily price quote at which he would either buy an investor out or sell his share of the business. Sometimes, he will be excited about the prospects for the business and quote a high price. Other times, he is depressed about the business’s prospects and quotes a low price.

    Because the stock market has these same emotions, the lesson here is that you shouldn’t let Mr. Market’s views dictate your own emotions, or worse, lead you in your investment decisions. Instead, you should form your own estimates of the business’s value based on a sound and rational examination of the facts. Furthermore, you should only buy when the price offered makes sense and sell when the price becomes too high. Put another way, the market will fluctuate, sometimes wildly, but rather than fearing volatility, use it to your advantage to get bargains in the market or to sell out when your holdings become way overvalued.

    Here are two strategies that Graham suggested to help mitigate the negative effects of market volatility:

    Dollar-Cost Averaging
    Dollar-cost averaging is achieved by buying equal dollar amounts of investments at regular intervals. It takes advantage of dips in the price and means that an investor doesn’t have to be concerned about buying his or her entire position at the top of the market. Dollar-cost averaging is ideal for passive investors and alleviates them of the responsibility of choosing when and at what price to buy their positions.

    Investing in Stocks and Bonds
    Graham recommended distributing one’s portfolio evenly between stocks and bonds as a way to preserve capital in market downturns while still achieving growth of capital through bond income. Remember, Graham’s philosophy was first and foremost, to preserve capital, and then to try to make it grow. He suggested having 25% to 75% of your investments in bonds and varying this based on market conditions. This strategy had the added advantage of keeping investors from boredom, which leads to the temptation to participate in unprofitable trading (i.e. speculating).

    Principle #3: Know What Kind of Investor You Are
    Graham advised that investors know their investment selves. To illustrate this, he made clear distinctions among various groups operating in the stock market.

    Active vs. Passive
    Graham referred to active and passive investors as “enterprising investors” and “defensive investors.”

    You only have two real choices: the first choice is to make a serious commitment in time and energy to become a good investor who equates the quality and amount of hands-on research with the expected return. If this isn’t your cup of tea, then be content to get a passive (possibly lower) return, but with much less time and work. Graham turned the academic notion of “risk = return” on its head. For him, “work = return.” The more work you put into your investments, the higher your return should be.

    If you have neither the time nor the inclination to do quality research on your investments, then investing in an index is a good alternative. Graham said that the defensive investor could get an average return by simply buying the 30 stocks of the Dow Jones Industrial Average in equal amounts. Both Graham and Buffett said that getting even an average return, such as the return of the S&P 500, is more of an accomplishment than it might seem. The fallacy that many people buy into, according to Graham, is that if it’s so easy to get an average return with little or no work (through indexing), then just a little more work should yield a slightly higher return. The reality is that most people who try this end up doing much worse than average.

    In modern terms, the defensive investor would be an investor in index funds of both stocks and bonds. In essence, they own the entire market, benefiting from the areas that perform the best without trying to predict those areas ahead of time. In doing so, an investor is virtually guaranteed the market’s return and avoids doing worse than average by just letting the stock market’s overall results dictate long-term returns. According to Graham, beating the market is much easier said than done, and many investors still find they don’t beat the market.

    Speculator vs. Investor
    Not all people in the stock market are investors. Graham believed that it was critical for people to determine whether they were investors or speculators. The difference is simple: an investor looks at a stock as part of a business and the stockholder as the owner of the business, while the speculator views himself as playing with expensive pieces of paper, with no intrinsic value. For the speculator, value is only determined by what someone will pay for the asset. To paraphrase Graham, there is intelligent speculating as well as intelligent investing; the key is to be sure you understand which you are good at.

    By Daniel Myers | Updated January 16, 2017

    Curtido por 1 pessoa

  7. Os 3 princípios de investimento mais intemporais

    Warren Buffett é amplamente considerado um dos maiores investidores de todos os tempos, mas se você fosse perguntar quem ele acha que é o maior investidor, ele provavelmente mencionaria um homem: seu professor, Benjamin Graham. Graham foi um investidor e investidor mentor que é geralmente considerado o pai da análise de segurança e investimento de valor.

    Suas idéias e métodos de investimento estão bem documentados em seus livros “Security Analysis” (1934) e “The Intelligent Investor” (1949), que são dois dos mais famosos textos de investimento. Estes textos são muitas vezes considerados materiais de leitura necessários para qualquer investidor, mas não são leituras fáceis. Neste artigo, vamos condensar os principais princípios de investimento da Graham e dar-lhe uma vantagem sobre a compreensão de sua filosofia vencedora.

    Princípio # 1: Sempre investir com uma margem de segurança
    Margem de segurança é o princípio de comprar uma segurança com um desconto significativo para o seu valor intrínseco, que é pensado para não só fornecer oportunidades de alto retorno, mas também para minimizar o risco de um investimento de baixa. Em termos simples, o objetivo de Graham era comprar ativos no valor de US $ 1 por 50 centavos. Ele fez isso muito, muito bem.

    Para Graham, esses ativos de negócios podem ter sido valiosos por causa de seu poder de ganhos estáveis ​​ou simplesmente por causa de seu valor em dinheiro líquido. Não era raro, por exemplo, para a Graham investir em ações onde os ativos líquidos no balanço (líquido de todas as dívidas) valiam mais do que o valor total de mercado da empresa (também conhecido como “net net” para Graham Seguidores). Isso significa que Graham estava efetivamente comprando negócios para nada. Enquanto ele tinha uma série de outras estratégias, esta era a estratégia de investimento típico para Graham.

    Este conceito é muito importante para os investidores a observar, como investimento de valor pode proporcionar lucros substanciais, uma vez que o mercado inevitavelmente reavalia o estoque e subiu seu preço para o valor justo. Ele também fornece proteção no lado negativo se as coisas não funcionam como planejado eo negócio vacila. A rede de segurança de comprar um negócio subjacente por muito menos do que vale foi o tema central do sucesso de Graham. Quando escolhido com cuidado, Graham descobriu que um declínio adicional nessas ações subvalorizadas ocorreu com pouca freqüência.

    Enquanto muitos dos alunos de Graham conseguiram usar suas próprias estratégias, todos eles compartilhavam a idéia principal da “margem de segurança”.

    Princípio # 2: Esperar Volatilidade e lucrar com isso
    Investir em ações significa lidar com a volatilidade. Em vez de correr para as saídas durante períodos de estresse no mercado, o investidor inteligente cumprimenta as crises como chances de encontrar grandes investimentos. Graham ilustrou isso com a analogia de “Mr. Market”, o parceiro de negócios imaginário de cada investidor. Mr. Market oferece aos investidores uma cotação de preço diária na qual ele quer comprar um investidor ou vender sua parte do negócio. Às vezes, ele vai ficar animado sobre as perspectivas para o negócio e citar um preço elevado. Outras vezes, ele está deprimido sobre as perspectivas do negócio e cita um preço baixo.

    Porque o mercado de ações tem essas mesmas emoções, a lição aqui é que você não deve deixar opiniões Mr. Market ditar suas próprias emoções, ou pior, levá-lo em suas decisões de investimento. Em vez disso, você deve formar suas próprias estimativas do valor do negócio com base em um exame racional e sã dos fatos. Além disso, você só deve comprar quando o preço oferecido faz sentido e vender quando o preço se torna demasiado elevado. Dito de outra forma, o mercado vai flutuar, às vezes descontroladamente, mas em vez de medo de volatilidade, usá-lo para sua vantagem para obter pechinchas no mercado ou para vender quando suas explorações se tornam sobrevalorizado.

    Aqui estão duas estratégias que Graham sugeriu para ajudar a mitigar os efeitos negativos da volatilidade do mercado:

    Dólar-custo médio
    A média do custo do dólar é alcançada comprando valores iguais em dólares de investimentos em intervalos regulares. Ele tira proveito de mergulhos no preço e significa que um investidor não tem que se preocupar em comprar sua posição inteira no topo do mercado. Dólar-custo médio é ideal para investidores passivos e alivia-los da responsabilidade de escolher quando ea que preço para comprar suas posições.

    Investir em ações e títulos
    Graham recomendou distribuir um portfólio uniformemente entre ações e títulos como uma forma de preservar o capital em recessões do mercado enquanto ainda obtendo crescimento de capital através de renda de títulos. Lembre-se, a filosofia de Graham era, em primeiro lugar, preservar o capital e depois tentar fazê-lo crescer. Ele sugeriu ter 25% a 75% de seus investimentos em títulos e variando isso com base nas condições de mercado. Esta estratégia tinha a vantagem adicional de manter os investidores de tédio, o que leva à tentação de participar de negociação não rentável (ou seja, especulando).

    Princípio # 3: Saiba que tipo de investidor você é
    Graham aconselhou que os investidores conheçam seus próprios investimentos. Para ilustrar isso, ele fez distinções claras entre os vários grupos que operam no mercado de ações.

    Ativo vs. Passivo
    Graham referiu-se aos investidores ativos e passivos como “investidores empreendedores” e “investidores defensivos”.

    Você só tem duas escolhas reais: a primeira opção é fazer um compromisso sério em tempo e energia para se tornar um bom investidor que iguala a qualidade ea quantidade de pesquisa hands-on com o retorno esperado. Se esta não é sua xícara de chá, então se contente em obter um retorno passivo (possivelmente menor), mas com muito menos tempo e trabalho. Graham virou a idéia acadêmica de “risco = retorno” em sua cabeça. Para ele, “trabalho = retorno”. Quanto mais trabalho você colocar em seus investimentos, maior o seu retorno deve ser.

    Se você não tem o tempo nem a inclinação para fazer a pesquisa da qualidade em seus investimentos, investing então em um índice é uma alternativa boa. Graham disse que o investidor defensivo poderia obter um retorno médio simplesmente comprando os 30 estoques da Dow Jones Industrial Average em quantidades iguais. Graham e Buffett disseram que conseguir um retorno médio, como o retorno do S & P 500, é mais uma conquista do que parece. A falácia que muitas pessoas compram, de acordo com Graham, é que, se é tão fácil obter um retorno médio com pouco ou nenhum trabalho (através de indexação), então apenas um pouco mais de trabalho deve render um retorno ligeiramente superior. A realidade é que a maioria das pessoas que tentam isso acabam fazendo muito pior do que a média.

    Em termos modernos, o investidor defensivo seria um investidor em fundos de índices de ações e títulos. Em essência, eles possuem todo o mercado, beneficiando-se das áreas que desempenham o melhor sem tentar prever essas áreas antes do tempo. Ao fazê-lo, um investidor é praticamente garantido o retorno do mercado e evita fazer pior do que a média por apenas deixar os resultados globais do mercado de ações ditar retornos a longo prazo. De acordo com Graham, bater o mercado é muito mais fácil dizer do que fazer, e muitos investidores ainda acham que não bater o mercado.

    Especulador vs. Investidor
    Nem todas as pessoas no mercado de ações são investidores. Graham acreditava que era fundamental para as pessoas determinarem se eram investidores ou especuladores. A diferença é simples: um investidor olha para um estoque como parte de um negócio eo acionista como o proprietário do negócio, enquanto o especulador se vê como jogar com pedaços de papel caros, sem valor intrínseco. Para o especulador, o valor é determinado apenas pelo que alguém pagará pelo ativo. Parafraseando Graham, há especulações inteligentes, bem como investimentos inteligentes; A chave é ter certeza que você entende em qual você é bom.

    Por Daniel Myers | Atualizado em 16 de janeiro de 2017

    Curtido por 1 pessoa

  8. Q3 2016: World’s housing markets seem poised to slow, though the boom continues vigorously in most of Europe, China, and Canada

    Brazil’s housing market remains depressed, amidst the ongoing economic crisis and an uncertain political landscape. In Sao Paulo, house prices fell by 7.71% during the year to Q3 2016, worse than the 5.54% decline seen in a year earlier. It was already its seventh consecutive quarter of falling house prices. Quarter-on-quarter, house prices dropped 1.23% in Q3 2016.
    Brazil’s economy remains in deep recession and unemployment is at record high. The economy shrank by 2.9% in Q3 2016 from a year earlier, after annual declines of 3.6% in Q2 2016, 5.4% in Q1 2016, 5.8% in Q4 2015, 4.5% in Q3 2015, 3% in Q2 2015, 2% in Q1 2015, 0.7% in Q4 2014, 1.1% in Q3 2014, and 0.8% in Q2 2014 – the country’s worst and longest recession in more than a century.
    Worse, the country is in the midst of immense political turmoil. In the past six months, Brazil has impeached its former President Dilma Rousseff, following the massive Petrobras corruption scandal, jailed the speaker of the house, and either removed or allowed five Cabinet ministers to step down because of allegations of corruption. Just last month, Brazil’s new president, Michel Temer, was embroiled in a new corruption scandal, accused of exerting pressure to assist a top political ally in a property deal. Unemployment rose to 11.8% in the three months to October 2016, sharply up from 8.9% a year ago, according to the country’s statistics agency, IBGE. Fitch Ratings has recently downgraded Brazil’s sovereign rating into junk, in line with the other two major rating companies.
    The economy is expected to contract by 3.3% this year, after a contraction of 3.8% in 2015, and growth rates of 0.1% in 2014, 3% in 2013, 1.8% in 2012, 3.9% in 2011 and 7.6% in 2010, according to the IMF. By December 2015, the Brazilian Real (BRL) had lost about 32% of its value against the U.S. dollar to reach an average monthly exchange rate of BRL3.8828 = USD1 as compared to BR2.6426 = USD1 in December 2014. However in the first eleven months of 2016, the real recovered by almost 16.3% to reach an exchange rate of BRL3.3399 = USD1, as economic and political outlook improves under the new government.
    House prices in Sao Paulo soared by 113% (inflation-adjusted) from 2007 to 2013, while Rio De Janeiro’s rose by 144%, as interest rates were progressively cut from 26% to 7.25% between 2003 and 2012. However starting in the first half 2013, the central bank raised the benchmark interest rate nine times to 11% in April 2014, causing a sharp economic slowdown. After holding the key interest rate steady for almost seven months, the central bank decided to raise it again by 25 basis points in October 2014, and by 50 basis points in December 2014. In 2015, the central bank again raised the key rate five times to 14.25%, the highest level for almost six years. In October 2016, the central bank cut the key rate by 25 basis points to 14% to buoy the struggling economy.

    Global Property Guide

    Curtido por 1 pessoa

  9. Q3 2016: World’s housing markets seem poised to slow, though the boom continues vigorously in most of Europe, China, and Canada

    Brazil’s housing market remains depressed, amidst the ongoing economic crisis and an uncertain political landscape. In Sao Paulo, house prices fell by 7.71% during the year to Q3 2016, worse than the 5.54% decline seen in a year earlier. It was already its seventh consecutive quarter of falling house prices. Quarter-on-quarter, house prices dropped 1.23% in Q3 2016.
    Brazil’s economy remains in deep recession and unemployment is at record high. The economy shrank by 2.9% in Q3 2016 from a year earlier, after annual declines of 3.6% in Q2 2016, 5.4% in Q1 2016, 5.8% in Q4 2015, 4.5% in Q3 2015, 3% in Q2 2015, 2% in Q1 2015, 0.7% in Q4 2014, 1.1% in Q3 2014, and 0.8% in Q2 2014 – the country’s worst and longest recession in more than a century.
    Worse, the country is in the midst of immense political turmoil. In the past six months, Brazil has impeached its former President Dilma Rousseff, following the massive Petrobras corruption scandal, jailed the speaker of the house, and either removed or allowed five Cabinet ministers to step down because of allegations of corruption. Just last month, Brazil’s new president, Michel Temer, was embroiled in a new corruption scandal, accused of exerting pressure to assist a top political ally in a property deal. Unemployment rose to 11.8% in the three months to October 2016, sharply up from 8.9% a year ago, according to the country’s statistics agency, IBGE. Fitch Ratings has recently downgraded Brazil’s sovereign rating into junk, in line with the other two major rating companies.
    The economy is expected to contract by 3.3% this year, after a contraction of 3.8% in 2015, and growth rates of 0.1% in 2014, 3% in 2013, 1.8% in 2012, 3.9% in 2011 and 7.6% in 2010, according to the IMF. By December 2015, the Brazilian Real (BRL) had lost about 32% of its value against the U.S. dollar to reach an average monthly exchange rate of BRL3.8828 = USD1 as compared to BR2.6426 = USD1 in December 2014. However in the first eleven months of 2016, the real recovered by almost 16.3% to reach an exchange rate of BRL3.3399 = USD1, as economic and political outlook improves under the new government.
    House prices in Sao Paulo soared by 113% (inflation-adjusted) from 2007 to 2013, while Rio De Janeiro’s rose by 144%, as interest rates were progressively cut from 26% to 7.25% between 2003 and 2012. However starting in the first half 2013, the central bank raised the benchmark interest rate nine times to 11% in April 2014, causing a sharp economic slowdown. After holding the key interest rate steady for almost seven months, the central bank decided to raise it again by 25 basis points in October 2014, and by 50 basis points in December 2014. In 2015, the central bank again raised the key rate five times to 14.25%, the highest level for almost six years. In October 2016, the central bank cut the key rate by 25 basis points to 14% to buoy the struggling economy.

    Global Property Guide

    Curtir

  10. Q3 2016: Os mercados imobiliários mundiais parecem estar prestes a desacelerar, embora o boom continue vigorosamente na maior parte da Europa, China e Canadá

    O mercado imobiliário brasileiro permanece deprimido, em meio à crise econômica em curso e a uma paisagem política incerta. Em São Paulo, os preços das casas caíram 7,71% durante o ano até o terceiro trimestre de 2016, pior do que o declínio de 5,54% observado no ano anterior. Já era seu sétimo trimestre consecutivo de queda dos preços das casas. No trimestre, os preços das casas caíram 1,23% no terceiro trimestre de 2016.
    A economia brasileira continua em profunda recessão e o desemprego está em recorde. A economia recuou 2,9% no terceiro trimestre de 2016 em relação ao ano anterior, após declínios anuais de 3,6% no 2T 2016, 5,4% no 1T 2016, 5,8% no 4T 2015, 4,5% no 3T 2015, 3% no 2T 2015, 2% No primeiro trimestre de 2015, 0,7% no quarto trimestre de 2014, 1,1% no terceiro trimestre de 2014 e 0,8% no segundo trimestre de 2014 – a pior e mais longa recessão do país em mais de um século.
    Pior ainda, o país está em meio a uma imensa turbulência política. Nos últimos seis meses, o Brasil acusou sua ex-presidente Dilma Rousseff, após o maciço escândalo de corrupção da Petrobras, encarcerou o presidente da casa e removeu ou permitiu que cinco ministros do gabinete renunciassem por causa de alegações de corrupção. Apenas no mês passado, o novo presidente do Brasil, Michel Temer, estava envolvido em um novo escândalo de corrupção, acusado de exercer pressão para ajudar um aliado político em um acordo de propriedade. O desemprego subiu para 11,8% nos três meses até outubro de 2016, fortemente acima de 8,9% no ano passado, de acordo com a agência de estatísticas do país, o IBGE. A Fitch Ratings classificou recentemente a classificação soberana do Brasil em lixo, em linha com as outras duas grandes companhias de rating.
    Prevê-se que a economia se contraia 3,3% este ano, após uma contração de 3,8% em 2015 e taxas de crescimento de 0,1% em 2014, 3% em 2013, 1,8% em 2012, 3,9% em 2011 e 7,6% De acordo com o FMI. Em dezembro de 2015, o Real brasileiro (BRL) havia perdido cerca de 32% do seu valor em relação ao dólar americano para atingir uma taxa de câmbio mensal média de R $ 3,8828 = USD1 em comparação com BR2,6426 = USD1 em dezembro de 2014. No entanto, Primeiros onze meses de 2016, o real se recuperou em quase 16,3% para atingir uma taxa de câmbio de BRL3.3399 = USD1, à medida que as perspectivas econômicas e políticas melhoram sob o novo governo.
    Os preços das casas em São Paulo subiram 113% (ajustado pela inflação) de 2007 a 2013, enquanto o Rio de Janeiro cresceu 144%, com as taxas de juros passando progressivamente de 26% para 7,25% entre 2003 e 2012. No entanto, Meados de 2013, o banco central elevou a taxa de juros de referência nove vezes para 11% em abril de 2014, causando uma forte desaceleração econômica. Depois de manter a taxa de juros básica estável por quase sete meses, o banco central decidiu aumentá-la em 25 pontos base em outubro de 2014 e em 50 pontos base em dezembro de 2014. Em 2015, o banco central voltou a subir a taxa-chave cinco vezes Para 14,25%, o nível mais alto durante quase seis anos. Em outubro de 2016, o banco central cortou a taxa chave em 25 pontos base para 14% para impulsionar a economia em dificuldades.

    Guia de propriedades globais

    Curtir

  11. The Birth Of Stock Exchanges

    When people talk stocks, they are usually talking about companies listed on the New York Stock Exchange (NYSE). It’s the big daddy and the big leagues. From a corporate perspective, anyone who’s anyone is listed there, and it can be difficult for investors to imagine a time when the NYSE wasn’t synonymous with investing. But, of course, it wasn’t always this way; there were many steps along the road to our current system of exchange. You may be surprised to learn that the first stock exchange thrived for decades without a single stock actually being traded.
    In this article we will look at the evolution of stock exchanges, from the Venetian slates, to the British coffeehouses, and finally to the NYSE and its brethren.

    The Real Merchants of Venice

    The moneylenders of Europe filled important gaps left by the larger banks. Moneylenders traded debts between each other; a lender looking to unload a high-risk, high-interest loan might exchange it for a different loan with another lender. These lenders also bought government debt issues. As the natural evolution of their business continued, the lenders began to sell debt issues to customers – the first individual investors.
    In the 1300’s, the Venetians were the leaders in the field and the first to start trading the securities from other governments. They would carry slates with information on the various issues for sale and meet with clients, much like a broker does today.

    The First Stock Exchange – Sans the Stock

    Belgium boasted a stock exchange as far back as 1531, in Antwerp. Brokers and moneylenders would meet there to deal in business, government and even individual debt issues. It is odd to think of a stock exchange that dealt exclusively in promissory notes and bonds, but in the 1500’s there were no real stocks. There were many flavors of business-financier partnerships that produced income like stocks do, but there was no official share that changed hands.

    All Those East India Companies

    In the 1600’s, the Dutch, British, and French governments all gave charters to companies with East India in their names. On the cusp of imperialism’s high point, it seems like everyone had a stake in the profits from the East Indies and Asia except the people living there. Sea voyages that brought back goods from the East were extremely risky – on top of Barbary pirates, there were the more common risks of weather and poor navigation.
    In order to lessen the risk of a lost ship ruining their fortunes, ship owners had long been in the practice of seeking investors who would put up money for the voyage – outfitting the ship and crew in return for a percentage of the proceeds if the voyage was successful. These early limited liability companies often lasted for only a single voyage. They were then dissolved, and a new one was created for the next voyage. Investors spread their risk by investing in several different ventures at the same time, thereby playing the odds against all of them ending in disaster.
    When the East India companies formed, they changed the way business was done. These companies had stocks that would pay dividends on all the proceeds from all the voyages the companies undertook, rather than going voyage by voyage. These were the first modern joint stock companies. This allowed the companies to demand more for their shares and build larger fleets. The size of the companies, combined with royal charters forbidding competition, meant huge profits for investors.

    A Little Stock With Your Coffee?

    Because the shares in the various East India companies were issued on paper, investors could sell the papers to other investors. Unfortunately, there was no stock exchange in existence, so the investor would have to track down a broker to carry out a trade. In England, most brokers and investors did their business in the various coffee shops around London. Debt issues and shares for sale were written up and posted on the shops’ doors or mailed as a newsletter.

    The South Seas Bubble Bursts

    The British East India Company had one of the biggest competitive advantages in financial history – a government-backed monopoly. When the investors began to receive huge dividends and sell their shares for fortunes, other investors were hungry for a piece of the action. The budding financial boom in England came so quickly that were no rules or regulations for the issuing of shares. The South Seas Company (SSC) emerged with a similar charter from the king and its shares, and the numerous re-issues, sold as soon as they were listed. Before the first ship ever left the harbor, the SSC had used its newfound investor fortune to open posh offices in the best parts of London.
    Encouraged by the success of the SSC -and realizing that the company hadn’t done a thing except issue shares – other “businessmen” rushed in to offer new shares in their own ventures. Some of these were as ludicrous as reclaiming the sunshine from vegetables or, better yet, a company promising investors shares in an undertaking of such vast importance that they couldn’t be revealed. They all sold. Before we pat ourselves on the back for how far we’ve come, remember that these blind pools still exist today.
    Inevitably, the bubble burst when the SSC failed to pay any dividends off its meager profits, highlighting the difference between these new share issues and the British East India Company. The subsequent crash caused the government to outlaw the issuing of shares – the ban held until 1825.

    The New York Stock Exchange

    The first stock exchange in London was officially formed in 1773, a scant 19 years before the New York Stock Exchange. Whereas the London Stock Exchange (LSE) was handcuffed by the law restricting shares, the New York Stock Exchange has dealt in the trading of stocks, for better or worse, since its inception. The NYSE wasn’t the first stock exchange in the U.S. however. That honor goes to the Philadelphia Stock Exchange, but it quickly became the most powerful.
    Formed by brokers under the spreading boughs of a buttonwood tree, the New York Stock Exchange made its home on Wall Street. The exchange’s location, more than anything else, led to the dominance that the NYSE quickly attained. It was in the heart of all the business and trade coming to and going from the United States, as well as the domestic base for most banks and large corporations. By setting listing requirements and demanding fees, the New York Stock Exchange became a very wealthy institution.
    The NYSE faced very little serious domestic competition for the next two centuries. Its international prestige rose in tandem with the burgeoning American economy and it was soon the most important stock exchange in the world. The NYSE had its share of ups and downs during the same period, too. Everything from the Great Depression to the Wall Street bombing of 1920 left scars on the exchange – the 1920 bombing left 38 dead and also left literal scars on many of Wall Street’s prominent buildings. The less literal scars on the exchange came in the form of stricter listing and reporting requirements.
    On the international scene, London emerged as the major exchange for Europe, but many companies that were able to list internationally still listed in New York. Many other countries including Germany, France, the Netherlands, Switzerland, South Africa, Hong Kong, Japan, Australia and Canada developed their own stock exchanges, but these were largely seen as proving grounds for domestic companies to inhabit until they were ready to make the leap to the LSE and from there to the big leagues of the NYSE. Some of these international exchanges are still seen as dangerous territory because of weak listing rules and less rigid government regulation.
    Despite the existence of stock exchanges in Chicago, Los Angeles, Philadelphia and other major centers, the NYSE was the most powerful stock exchange domestically and internationally. In 1971, however, an upstart emerged to challenge the NYSE hegemony.

    The New Kid on the Block

    The Nasdaq was the brainchild of the National Association of Securities Dealers (NASD) – now called the Financial Industry Regulatory Authority (FINRA). From its inception, it has been a different type of stock exchange. It does not inhabit a physical space, as with 11 Wall Street. Instead, it is a network of computers that execute trades electronically.
    The introduction of an electronic exchange made trades more efficient and reduced the bid-ask spread – a spread the NYSE wasn’t above profiting from. The competition from Nasdaq has forced the NYSE to evolve, both by listing itself and by merging with Euronext to form the first trans-Atlantic exchange.

    The Future: World Parity?

    The NYSE is still the largest and, arguably, most powerful stock exchange in the world. The Nasdaq has more companies listed, but the NYSE has a market capitalization that is larger than Tokyo, London and the Nasdaq combined – and the merger with Euronext will make it larger still. The NYSE, once closely tied to the fortunes of failures of the American economy, is now global. Although the other stock exchanges in the world have grown stronger through mergers and the development of their domestic economies, it is difficult to see how any of them will dislodge the 800-pound gorilla that is the New York Stock Exchange.

    By Andrew Beattie | Updated October 31, 2016

    Curtir

    • O nascimento das bolsas de valores

      Quando as pessoas falam de ações, geralmente estão falando de empresas listadas na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE). É o papai grande e as grandes ligas. De uma perspectiva corporativa, qualquer um que é alguém está listado lá, e pode ser difícil para os investidores a imaginar uma época em que a NYSE não era sinônimo de investimento. Mas, é claro, nem sempre foi assim; Havia muitas etapas ao longo da estrada a nosso sistema atual da troca. Você pode se surpreender ao saber que a primeira bolsa prosperou por décadas sem um único estoque realmente sendo negociado.

      Neste artigo vamos olhar para a evolução das bolsas de valores, das ardósias venezianas, para os cafés britânicos e, finalmente, para a NYSE e seus irmãos.

      Os verdadeiros comerciantes de Veneza

      Os agiotas da Europa preencheram lacunas importantes deixadas pelos grandes bancos. Os mutuantes negociavam dívidas entre si; Um credor olhando para descarregar um empréstimo de alto risco, alto interesse pode trocá-lo por um empréstimo diferente com outro credor. Esses credores também compraram questões de dívida pública. Como a evolução natural do seu negócio continuou, os credores começaram a vender dívidas aos clientes – os primeiros investidores individuais.
      Na década de 1300, os venezianos foram os líderes no campo e os primeiros a começar a negociar os títulos de outros governos. Eles iriam levar ardósias com informações sobre as várias questões para venda e se reunir com os clientes, bem como um corretor faz hoje.

      A primeira bolsa de valores – Sans the Stock

      A Bélgica tinha uma bolsa de valores em 1531, em Antuérpia. Corretores e agiotas iriam se reunir lá para lidar em negócios, governo e até mesmo questões de dívida individuais. É estranho pensar em uma bolsa de valores que tratava exclusivamente de notas promissórias e títulos, mas na década de 1500 não havia estoque real. Havia muitos sabores de parcerias empresariais e financeiras que produziam renda como as ações, mas não havia uma parcela oficial que mudasse de mãos.

      Todas as empresas da Índia Oriental

      Na década de 1600, os governos holandês, britânico e francês deram cartas a empresas com a Índia Oriental em seus nomes. Na cúspide do ponto alto do imperialismo, parece que todos tinham uma participação nos lucros das Índias Orientais e da Ásia, exceto as pessoas que vivem lá. As viagens marítimas que traziam mercadorias do Oriente eram extremamente arriscadas – sobre os piratas da barbárie, havia os riscos mais comuns do tempo e da má navegação.
      A fim de diminuir o risco de um navio perdido arruinar suas fortunas, os proprietários de navios há muito tempo na prática de procurar os investidores que iria colocar dinheiro para a viagem – equipando o navio ea tripulação em troca de uma percentagem dos lucros, se a viagem foi bem sucedido. Estas primeiras companhias de responsabilidade limitada muitas vezes duravam apenas uma única viagem. Eles foram então dissolvidos, e um novo foi criado para a próxima viagem. Os investidores espalhar seu risco investindo em vários empreendimentos diferentes ao mesmo tempo, jogando assim as probabilidades contra todos eles terminando em desastre.
      Quando as empresas das Índias Orientais se formaram, mudaram a forma como os negócios foram feitos. Essas empresas possuíam ações que pagariam dividendos sobre todo o produto de todas as viagens que as empresas empreenderam, ao invés de viajarem por viagem. Estas foram as primeiras sociedades anônimas modernas. Isso permitiu que as empresas demandassem mais por suas ações e construíssem frotas maiores. O tamanho das companhias, combinado com charters reais que proibiam a competição, significou lucros enormes para investors.

      Um estoque pequeno com seu café?

      Como as ações das várias empresas das Índias Orientais foram emitidas em papel, os investidores poderiam vender os papéis para outros investidores. Infelizmente, não existia uma bolsa de valores, por isso o investidor teria de rastrear um corretor para realizar um comércio. Na Inglaterra, a maioria dos corretores e investidores faziam seus negócios nas várias cafeterias de Londres. Dívidas e ações para venda foram escritas e postadas nas portas das lojas ou enviadas como um boletim informativo.

      A explosão de bolhas dos mares do sul

      A British East India Company tinha uma das maiores vantagens competitivas da história financeira – um monopólio apoiado pelo governo. Quando os investidores começaram a receber dividendos enormes e vender suas ações para fortunas, outros investidores estavam com fome de um pedaço da ação. O boom financeiro em expansão na Inglaterra veio tão rapidamente que não havia regras ou regulamentos para a emissão de ações. A South Seas Company (SSC) surgiu com uma carta similar do rei e suas ações, e as numerosas re-edições, vendidas assim que eles foram listados. Antes que o primeiro navio saísse do porto, o SSC usara sua nova fortuna de investidor para abrir escritórios luxuosos nas melhores partes de Londres.
      Encorajados pelo sucesso do SSC – e percebendo que a empresa não tinha feito nada exceto ações de emissão – outros “empresários” correram para oferecer novas ações em seus próprios empreendimentos. Alguns deles eram tão ridículos quanto recuperar o sol dos legumes ou, melhor ainda, uma empresa que prometia aos investidores participar de um empreendimento de tão grande importância que não poderiam ser revelados. Todos eles venderam. Antes de nos dar palmadinhas na parte de trás para o quanto chegamos, lembre-se que essas piscinas cegas ainda existem hoje.
      Inevitavelmente, a bolha estourou quando a SSC não conseguiu pagar quaisquer dividendos de seus magros lucros, destacando a diferença entre essas novas ações e a British East India Company. O acidente subseqüente causou o governo para proibir a emissão de ações – a proibição realizada até 1825.

      A Bolsa de Valores de Nova York

      A primeira bolsa de valores em Londres foi formada oficialmente em 1773, um escasso 19 anos antes da Bolsa de Valores de Nova York. Considerando que a Bolsa de Valores de Londres (LSE) foi algemado pela lei que restringe as ações, a Bolsa de Valores de Nova York negociou na negociação de ações, para melhor ou pior, desde a sua criação. No entanto, a NYSE não foi a primeira bolsa de valores nos EUA. Essa honra vai para a Bolsa de Valores de Filadélfia, mas rapidamente se tornou o mais poderoso.
      Formada por corretores sob os ramos espalhando de uma árvore de botão, a Bolsa de Nova York fez sua casa em Wall Street. A localização da bolsa, mais do que qualquer outra coisa, levou ao domínio que a NYSE rapidamente alcançou. Estava no coração de todos os negócios e comércio vindo e indo dos Estados Unidos, bem como a base doméstica para a maioria dos bancos e grandes corporações. Ao estabelecer requisitos de listagem e taxas exigentes, a Bolsa de Valores de Nova York tornou-se uma instituição muito rica.
      O NYSE enfrentou muito pouca competição interna séria para os dois séculos seguintes. Seu prestígio internacional cresceu em paralelo com a crescente economia americana e logo foi a bolsa de valores mais importante do mundo. A NYSE teve a sua quota de altos e baixos durante o mesmo período, também. Tudo desde a Grande Depressão até o bombardeio de Wall Street em 1920 deixou cicatrizes na troca – o bombardeio de 1920 deixou 38 mortos e também deixou cicatrizes literais em muitos dos edifícios proeminentes de Wall Street. As cicatrizes menos literais na troca vieram sob a forma de exigências mais estritas da lista e do relatório.
      No cenário internacional, Londres surgiu como o principal intercâmbio para a Europa, mas muitas empresas que foram capazes de listar internacionalmente ainda listado em Nova York. Muitos outros países, incluindo a Alemanha, a França, os Países Baixos, a Suíça, a África do Sul, Hong Kong, o Japão, a Austrália e o Canadá, desenvolveram suas próprias bolsas de valores. Salto para o LSE e de lá para as grandes ligas da NYSE. Alguns desses intercâmbios internacionais ainda são vistos como território perigoso por causa de regras de listagem fraca e regulamentos governamentais menos rígidos.
      Apesar da existência de bolsas de valores em Chicago, Los Angeles, Filadélfia e outros grandes centros, a NYSE foi a mais poderosa bolsa de valores nacional e internacionalmente. Em 1971, no entanto, um upstart surgiu para desafiar a hegemonia NYSE.

      O novo garoto no bloco

      A Nasdaq foi criada pela National Association of Securities Dealers (NASD) – agora denominada Autoridade Reguladora da Indústria Financeira (FINRA). Desde a sua criação, tem sido um tipo diferente de bolsa de valores. Não habita um espaço físico, como acontece com 11 Wall Street. Em vez disso, é uma rede de computadores que executam transações eletronicamente.
      A introdução de uma troca eletrônica tornou os negócios mais eficientes e reduziu o spread bid-ask – um spread que a NYSE não estava acima lucrando. A concorrência da Nasdaq forçou a NYSE a evoluir, tanto através da sua listagem como da fusão com a Euronext para formar a primeira bolsa transatlântica. (Para saber mais, consulte O conto de duas bolsas: NYSE e Nasdaq e The Global Electronic Stock Market.)

      O Futuro: Paridade Mundial?

      A NYSE ainda é a maior e, possivelmente, a bolsa de valores mais poderosa do mundo. A Nasdaq tem mais companhias listadas, mas a NYSE tem uma capitalização de mercado maior do que Tokyo, Londres e Nasdaq combinadas – ea fusão com a Euronext tornará ainda maior. A Bolsa de Valores de Nova York (NYSE), uma vez muito ligada à fortuna dos fracassos da economia americana, é agora global. Embora as outras bolsas de valores do mundo tenham crescido mais forte através de fusões e do desenvolvimento de suas economias domésticas, é difícil ver como qualquer um deles irá desalojar o gorila de 800 libras que é a Bolsa de Valores de Nova York.

      Por Andrew Beattie | Atualizado em 31 de outubro de 2016

      Curtir

    • @Cabral FII, acesse o site NAREIT®, the National Association of Real Estate Investment Trusts®
      reit.com, na aba data & research clique em REITWatch
      Comece olhando os maiores em cada setor, visite o site próprio de cada um, confira o desempenho em sites como google, Yahoo finance e congêneres, já é algum começo.

      Curtir

Não postar Links, nem referências à sites Externos, Emails, Telefones.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s