Internacional

REITs

Vivemos em um mundo globalizado e dinâmico,  onde as mudanças e oportunidades estão por toda parte.

Estamos aqui no Blog, sempre ligados nas tendências e a mais recente são as oportunidades de investimento fora do país.

Também buscamos atender sempre às solicitações dos amigos e esta foi com certeza a mais recorrente nos últimos dias.

Global

Vejo fundos de investimento sendo criados, focados no mercado externo, vejo a discussão cada vez mais incidente sobre os REITs ( os FIIs americanos ), vejo uma preocupação cada vez maior com o intervencionismo do governo e grandes investidores optando por ações de empresas em outros países.

São preocupações justificadas?  Saberemos aqui 😀

REITS

Se mais alguém tiver interesse por REITs (Real Estate Investment Trust ou FIIs americanos) e puder complementar …

Basicamente são de 3 tipos:

Os de Hipoteca (Mortgage), os de Investimento (Equity REITs) e os Híbridos (uma mistura dos dois).

Mortgage REITs: possuem retornos maiores, devido ao risco maior a que se expõem. Quem lembra da crise recente, as hipotecas são justamente onde o fato explodiu. São equivalentes aos financiamentos, podem proporcionar grandes retornos ou grandes perdas.

Equity REITs: esses seriam os mais próximos que temos em relação aos nossos FIIs, onde o objetivo é a exploração do imóvel para aluguel e obtenção de renda.

Hybrid REITs: Mais ou menos um FII de FIIs de lá, onde ambos os tipos são mesclados, aproveitando o que de melhor cada um tem e tentando minimizar o que há de pior (risco).

o recebimento dos rendimentos também é bem complicadinho; aqui nosso rendimento é isento e divididos em Amortização ou Rendimento. Lá existe um terceiro tipo que separa o ganho de capital ( Rendimento de Aluguel, Amortização e Ganho de Capital ).

o imposto depende da sua renda.

Mais informações:

http://www.investopedia.com/terms/r/reit.asp

http://www.reit.com

http://us.spindices.com/indices/equity/sp-united-states-reit-us-dollar

Tributos Envolvidos

http://seekingalpha.com/article/1233411-understanding-the-taxation-of-reit-distributions

Lista de REITS

http://www.reit.com/Investing/ListofREITFunds/MutualFunds.aspx

Busca de Dividendos

http://www.dividend.com

http://www.dividendchannel.com/slideshows/?slideshow=mreits&page=1

* Contribuição do amigo Eric:

“eu vejo nesse site http://www.dividend.com, como por exemplo o OLP http://www.dividend.com/dividend-stocks/financial/real-estate-development/olp-one-liberty-properties/ tem os rendimentos recentes e para quem paga tem o histórico.”

* Contribuição do XReis:  Top REITs

http://money.usnews.com/funds/etfs/rankings/real-estate-funds  

* Contribuição do Trix

O que qualifica uma empresa como um REIT?

• Invistir em pelo menos 75 % de seus ativos totais no setor imobiliário;
• Deduzir pelo menos 75 % de sua receita bruta de aluguéis de imóveis, juros sobre hipotecas de financiamento imobiliário ou de venda de imóveis;
• Pagar pelo menos 90 % de sua renda tributável na forma de dividendos aos acionistas em cada ano como, resultado, REITs não podem geralmente deixar de distribuir seus ganhos;
• Ser uma entidade que é tributável como uma corporação;
• Ser gerida por um conselho de diretores ou administradores;
• Ter um mínimo de 100 acionistas e não ter mais de 50 % de suas ações detidas por cinco ou menos pessoas.

468 comentários sobre “Internacional

  1. Olá boa tarde a todos do blog,gostaria da opnião dos mais experientes sobre abrir uma conta , devidamente legalizada, em outro país para poder ter acesso as corretoras locais .
    Tem muitos paizes que vc tendo acesso a uma corretora local vc pode comprar açoes , Etfs, e fii de quase todas as principais bolsas do mundo e manter a custodia na corretora local .
    Isso é vantajoso para os brasileiros ou as taxas são proibitivas .
    Existe algum projeto para as corretoras nacionais passar a ter opçoes como as corretoras desses paizes ?
    Agradeço desde já os comentarios de todos .

    Curtido por 1 pessoa

    • Oi, Doctor. Sei muito pouco sobre isso, mas talvez possa te ajudar um pouquinho.
      A questão de ser vantajoso ou não é você quem vai conseguir determinar. Como aqui, cada corretora lá fora tem suas taxas de corretagem pra investimentos. Mas acredito que mais importante a se considerar é o capital que você quer investir em comparação com pontos desde as taxas de câmbio para envio do dinheiro para o exterior até o pagamento do IR tanto para o país do investimento (se houver) quanto para o Brasil, caso você invista como pessoa física ou jurídica estabelecida no Brasil.
      Quanto a projetos de corretoras nacionais oferecerem opções para investimento em outros países, nunca ouvi falar de nenhum, a não ser as poucas opções existentes para brasileiros investirem (indiretamente) fora.
      Espero ter ajudado em alguma coisa!

      Curtido por 1 pessoa

    • Tem corretora nacional que permite sim, inclusive uma das maiores, mas sem propaganda aqui no blog. pesquisa que vc acha fácil…
      Dê uma olhada numa ação brasileira chamada IVVB11 e outra chamada SPXI11.
      São ETFs da bovespa que relicam o SP 500.

      Talvez resolva teu problema em parte.

      Curtido por 1 pessoa

  2. Não é sobre Reits, mas é internacional:

    Acho que o Trump está conversando com o “genial” Bresser Pereira…kkk

    The Huffington Post’s S.V. Dale and Christina Wilkie have written an interesting story about the Trump administration’s problems with leaks. The most interesting part has little to do with the leaks and everything to do with President Trump’s foreign economic policy:

    President Donald Trump was confused about the dollar: Was it a strong one that’s good for the economy? Or a weak one?

    So he made a call ― except not to any of the business leaders Trump brought into his administration or even to an old friend from his days in real estate. Instead, he called his national security adviser, retired Lt. Gen. Mike Flynn, according to two sources familiar with Flynn’s accounts of the incident.

    Flynn has a long record in counterintelligence but not in macroeconomics. And he told Trump he didn’t know, that it wasn’t his area of expertise, that, perhaps, Trump should ask an economist instead.

    Trump was not thrilled with that response ― but that may have been a function of the time of day. Trump had placed the call at 3 a.m., according to one of Flynn’s retellings ― although neither the White House nor Flynn’s office responded to requests for confirmation about that detail.

    Let’s assume that the sources are correct (although it should be noted that Trump complained about the strong dollar last month, suggesting that either he knows more about this issue than the HuffPo story suggests, or that maybe his call to Flynn preceded that complaint).

    The hard-working staff here at Spoiler Alerts might not be the biggest fan of Flynn, but we nonetheless sympathize with the conundrum he must have faced on the receiving end of Trump’s call. Being rousted to answer a question outside of one’s area of expertise sounds pretty daunting. The instinct of any staffer is always to be able to answer the question. Furthermore, Flynn can’t exactly rely on his own experts, as it appears that the NSC is pretty short-staffed right now and Trump does not have any economists on staff as of this moment.

    In the interest of doing my duty as a concerned American, let me take the baton from General Flynn and try to answer the question:

    Hello, President Trump? Hello? Are you working the phone buttons correctly? Great! Okay, so I have two answers to your question about the effect of the dollar on the U.S. economy. First, actual economist Justin Wolfers offers the short Econ 101 answer to your question:

    8 Feb
    Justin Wolfers
    Trump’s 3am call asking his national security adviser if it’s a strong or a weak dollar that’s good for the economy.
    Follow
    Justin Wolfers
    The answer: A strong dollar makes foreign stuff cheap (yay!), and stuff we make expensive for foreigners (boo!). Depends on what you want.
    1:01 AM – 8 Feb 2017
    99 99 Retweets 199 199 likes
    As someone who has been delving into how your chief adviser’s economic policies will affect the American economy, however, I’d like to offer an important addendum to Wolfers’s answer: Almost everything you are thinking of doing as president will cause a stronger dollar.

    I have written about this problem here and here, but just to sum up: Your economic agenda for the United States includes the following:

    Significant tax cuts
    Greater government spending on infrastructure and defense
    Preserving entitlements
    Higher barriers to imports, be it through stronger tariffs or a border adjustment tax
    A border adjustment tax would likely cause the dollar to strengthen, as your own Treasury Secretary-designate told Congress last month. High-profile tariffs would have a similar effect. Your tax and spending proposals translate into an expansionary fiscal policy — i.e., the government will be spending even more and taxing less. This certainly will boost economic growth, but it is also likely to accelerate the Federal Reserve’s plans to raise interest rates. Because most of the other major developed economies have even looser monetary policies because of more sluggish growth, capital will rush into U.S. financial markets to take advantage of higher rates, causing a further appreciation of the dollar.

    As Wolfers noted, a strong dollar will only further widen a trade deficit that you neither like nor understand very well. Is there anything you can do to implement your campaign promises, weaken the dollar, thereby shrinking the trade deficit?

    I have some bad news here: Given the policies listed above, your options are limited. It’s simply not possible to make fiscal policy contractionary; after defense and entitlements spending, there just ain’t enough left to cut. Sure, you can try to jawbone the dollar down by complaining about how it is overvalued. That will move markets for a few hours, but the effect doesn’t last.

    Now there is one way you can cause the dollar to fall, but it’s a doozy. You could try to impose capital controls to restrict the inflow of capital. That’s likely to trigger a fair amount of financial panic. And as I wrote in September: “The only way a President Trump could actually reduce America’s trade deficit is by causing the economy to crash. A recession or depression would undeniably reduce the U.S. appetite for imports. [But] that’s a really stupid way to reduce the trade deficit.”

    Hope that helps! Talk to you later, Mr. President.

    Fonte: washingtonpost

    Curtido por 2 pessoas

  3. The Most Important Factors for Investing in Real Estate

    Compared with other types of investments, real estate investing involves a relatively favorable risk/reward profile, with relatively low liquidity (ease of entry and exit). Let’s see some of the most important factors to consider when investing in real estate.

    1. Location of the Property

    Why is it important? The age old punch line “Location, Location, Location” still rules and remains the most important factor for profitability in real estate investment. Proximity to amenities, peaceful conforming areas, neighborhood status, scenic views, etc. are major factors for residential property valuations. While proximity to markets, warehouses, transport hubs, freeways, tax-exempt areas, etc. play an important role for commercial property valuations.

    What to look for? A mid-to-long-term view, about how the locality is expected to evolve over the investment period. Today’s peaceful open land at the back of a residential building may be developed into a noisy manufacturing facility in future, making the residential valuations less profitable. It is advisable to conduct thorough check about ownership, type and intended usage of neighboring areas, establishments and free land in the locality.

    2. Valuation of the Property

    Why is it important? Real estate financing during purchase, listing price during the sale, investment analysis, insurance premium, and taxation — all depend on real estate valuation.

    What to look for? Commonly used valuation methodologies include:
    •Sales comparison approach: Recent comparable sales of properties with similar characteristics –most common and suitable for both new and old properties
    •Cost Approach: All cost summation minus depreciation – suitable for new construction
    •Income approach: Based on expected cash inflows — suitable for rentals

    3. Investment Purpose and Investment Horizon

    Why is it important? Given the low liquidity and high-value investment in real estate, lacking clarity on purpose may lead to unexpected results including financial distress, especially if the investment is mortgaged.

    What to look for? Identify which of the following broad categories suits your purpose and prepare yourself accordingly:
    •Buy & Self-use: Savings on rentals, benefit of self-utilization and value appreciation
    •Buy & Lease: Regular income and long-term value appreciation. Requires building a temperament of being a landlord — for handling possible disputes & legal issues, managing tenants, repair work, etc.
    •Buy & Sell (Short-term): Quick, small to mediocre profit – usually buying under construction properties and selling slightly high once ready
    •Buy & Sell (Long-term): Large intrinsic value appreciation over a long period; a solution for long-term aims like retirement planning, child’s education, etc.

    4. Expected Cash Flows & Profit Opportunities

    Why is it important? The investment purpose and usage influence cash flows and hence profit opportunities.

    What to look for? Develop draft projections for the following modes of profit & expenses:
    •Expected cash flow from rental income — Inflation favors landlords for rental income
    •Expected increase in intrinsic value due to long-term price appreciation
    •Benefits of depreciation (and available tax benefits)
    •Cost-benefit analysis of renovation before sale to get better price
    •Cost-benefit analysis of mortgaged loans vs. value appreciation

    5. Be Careful with Leverage – Know the Pitfalls

    Why is it important? Loans are convenient but may come at a big cost — you commit your future income, to get utility today for a cost of interest spread across many years. Understanding how to handle loans of this nature allows you to benefit from it to the maximum. While ignoring the risks can lead to major pitfalls.

    What to look for? Depending upon your current and expected future earnings and paying capability, consider the following:
    •Decide on the type of mortgage loan that best fits your situation (Fixed Rate, Adjustable Floating Rate, Interest Only or Zero Down Payment)
    •Be aware of the terms and conditions and other charges levied by financiers
    •Hunt around and bargain for a better deal using a tool like a mortgage calculator to find lower interest rates. Also look for lower insurance premiums.

    6. Investment in New Construction vs. Existing Establishments

    Why is it important? New construction properties usually offer attractive pricing, the option of customization, clearly documented amenities and clear titles. The investor has to deal with only the construction company as a counterpart. Risks include delay in possession, an increase in costs, no awareness about the neighborhood, etc.

    Those on resale have vice-versa factors and may need a more thorough check on ownership, documents, and legal matters.

    What to look for?
    •Check past projects and the reputation of the construction company for new construction investments
    •Review property deeds, recent survey, and appraisal report for old constructions
    •Be aware of monthly maintenance costs, outstanding dues & taxes from past owners. These costs can severely impact your regular cash flows
    •Investing in on-lease property (possessed by others) – Is it rent controlled, rent stabilized or free market? Is the lease about to expire? Does it have renewal options in favor of the tenant? Are interior items owned by the tenant or owner? etc. are some of the details to be aware of.
    •Quality-check items (furniture, fixtures, and equipment), if included in sale

    7. Indirect Investments in Real Estate

    Managing physical properties over a long term horizon is not for everyone. There are also a few alternatives to indirectly invest in the real estate sector and aim to reap the benefit.

    What are the Options?
    •Real estate company stocks – Equity stocks of real estate companies can be bought and sold on exchanges
    •Real estate sector-focused mutual funds/ETFs – Sector specific funds like “Fidelity Real Estate Investment Portfolio (FRESX)” offer the benefit of diversification and professional money management, at the cost of fund expense charges
    •Mortgage bonds – Secured by physical property, they offer lower rates of return compared to corporate bonds
    •Real Estate Investment Trust (REIT) – offer high yields, tax consideration and high liquidity as they trade on stock exchanges.

    The Bottom Line

    Real estate investments offer a good high-value risk-return profile. Thoughtful consideration of the above-mentioned factors in mind will enable investors to reap the benefits while mitigating the risks.

    By Shobhit Seth | Updated January 30, 2017

    Curtido por 1 pessoa

  4. Os fatores mais importantes para investir em imóveis

    Comparado com outros tipos de investimentos, o investimento imobiliário envolve um perfil de risco / recompensa relativamente favorável, com liquidez relativamente baixa (facilidade de entrada e saída). Vamos ver alguns dos fatores mais importantes a considerar quando investir em imóveis.

    1. Localização da Propriedade

    Por que isso é importante? A antiga linha de perfuração “Localização, Localização, Localização” ainda regras e continua a ser o fator mais importante para a rentabilidade do investimento imobiliário. Proximidade de amenidades, áreas pacíficas conformando, status de bairro, vistas panorâmicas, etc são os principais fatores para avaliações de propriedade residencial. Embora a proximidade de mercados, armazéns, centros de transporte, auto-estradas, áreas isentas de impostos, etc., desempenhem um papel importante para as avaliações de propriedades comerciais.

    O que procurar? Uma visão de médio a longo prazo, sobre como a localidade deve evoluir ao longo do período de investimento. A terra aberta pacífica de hoje na parte traseira de um edifício residencial pode ser desenvolvida em uma facilidade de fabricação barulhenta no futuro, fazendo as avaliações residenciais menos rentáveis. É aconselhável realizar uma verificação completa sobre a propriedade, tipo e uso pretendido de áreas vizinhas, estabelecimentos e terras livres na localidade.

    2. Avaliação da Propriedade

    Por que isso é importante? Financiamento imobiliário durante a compra, preço de listagem durante a venda, análise de investimento, prémio de seguro e tributação – tudo depende da avaliação imobiliária.

    O que procurar? As metodologias de avaliação utilizadas com mais frequência incluem:
    • Abordagem de comparação de vendas: vendas comparáveis ​​recentes de propriedades com características semelhantes – mais comuns e adequadas para propriedades novas e antigas
    • Abordagem de custo: Todos os custos soma menos depreciação – adequado para construção nova
    • Abordagem do rendimento: com base nos fluxos de caixa esperados – adequado para locações

    3. Objetivo de Investimento e Horizonte de Investimento

    Por que isso é importante? Dada a baixa liquidez e investimento de alto valor em imóveis, falta de clareza de propósito pode levar a resultados inesperados, incluindo sofrimento financeiro, especialmente se o investimento é hipotecado.

    O que procurar? Identifique quais das seguintes categorias gerais se adequam ao seu propósito e prepare-se adequadamente:
    • Buy & Self-use: Poupança em aluguéis, benefício da auto-utilização e valorização
    • Buy & Lease: Rendimento regular e apreciação do valor a longo prazo. Requer a construção de um temperamento de ser um senhorio – para lidar com possíveis disputas e questões jurídicas, gestão de inquilinos, reparação de trabalho, etc
    • Comprar e vender (curto prazo): Rápido, pequeno para o lucro medíocre – geralmente comprando em propriedades de construção e vendendo ligeiramente alto, uma vez pronto
    • Buy & Sell (Long-term): Grande apreciação do valor intrínseco durante um longo período; Uma solução para fins de longo prazo como planejamento de aposentadoria, educação infantil, etc.

    4. Fluxos de Caixa Esperados & Oportunidades de Lucro

    Por que isso é importante? A finalidade e o uso do investimento influenciam fluxos de caixa e conseqüentemente oportunidades do lucro.

    O que procurar? Elaborar projeções de projeções para os seguintes modos de lucro e despesas:
    • Fluxo de caixa esperado da renda de aluguel – Inflação favorece landlords para rendimento de aluguel
    • Aumento esperado no valor intrínseco devido à apreciação do preço de longo prazo
    • Benefícios de depreciação (e benefícios fiscais disponíveis)
    • Análise custo-benefício de renovação antes da venda para obter melhores preços
    • Análise custo-benefício dos empréstimos hipotecados versus valorização

    5. Tenha cuidado com alavancagem – Conheça as armadilhas

    Por que isso é importante? Empréstimos são convenientes, mas pode vir a um grande custo – você comprometer sua renda futura, para obter utilidade hoje para um custo de interesse espalhados por muitos anos. Entender como lidar com empréstimos desta natureza permite que você beneficie-lo ao máximo. Embora ignorar os riscos pode levar a grandes armadilhas.

    O que procurar? Dependendo de seus ganhos futuros atuais e esperados e capacidade de pagamento, considere o seguinte:
    • Decidir sobre o tipo de empréstimo hipotecário que melhor se adequa à sua situação (taxa fixa, taxa flutuante ajustável, juros ou adiantamento zero)
    • Estar ciente dos termos e condições e outros encargos cobrados pelos financiadores
    • Caça e pechincha para um negócio melhor usando uma ferramenta como uma calculadora de hipoteca para encontrar taxas de juros mais baixas. Também olhar para os prémios de seguro mais baixos.

    6. Investimento em Nova Construção vs. Estabelecimentos Existentes

    Por que isso é importante? Propriedades de construção nova geralmente oferecem preços atraentes, a opção de personalização, amenidades claramente documentadas e títulos claros. O investidor tem de lidar apenas com a empresa de construção como uma contrapartida. Os riscos incluem atraso na posse, um aumento nos custos, não consciência sobre o bairro, etc

    Aqueles em revenda têm vice-versa fatores e pode precisar de uma verificação mais aprofundada sobre a propriedade, documentos e questões jurídicas.

    O que procurar?
    Verifique projetos passados ​​ea reputação da empresa de construção civil para investimentos em novas construções
    Revisão de escrituras de propriedade, pesquisa recente e relatório de avaliação para construções antigas
    Esteja ciente dos custos de manutenção mensal, dívidas pendentes e impostos de proprietários passados. Esses custos podem afetar severamente seus fluxos de caixa regulares
    Investir em propriedade de arrendamento (possuído por outros) – É aluguel controlado, alugar estabilizado ou mercado livre? A locação está prestes a expirar? Possui opções de renovação em favor do inquilino? Os itens do interior pertencem ao inquilino ou proprietário? Etc são alguns dos detalhes a ter em conta.
    Itens de verificação de qualidade (móveis, utensílios e equipamentos), se incluídos na venda

    7. Investimentos Indiretos em Imóveis

    Gerenciando propriedades físicas em um horizonte de longo prazo não é para todos. Existem também algumas alternativas para investir indiretamente no setor imobiliário e visam colher o benefício.

    Quais são as opções?
    Estoques de empresas imobiliárias – As ações de empresas imobiliárias podem ser compradas e vendidas em bolsas
    Fundos / ETFs focados no setor imobiliário – Fundos específicos do setor como “Fidelity Real Estate Investment Portfolio (FRESX)” oferecem o benefício da diversificação e gestão profissional de dinheiro, ao custo de despesas de despesas do fundo
    Empréstimos hipotecários – Garantidos pela propriedade física, eles oferecem taxas de retorno mais baixas em relação às obrigações de empresas
    Real Estate Investment Trust (REIT) – oferecem altos rendimentos, considerações fiscais e alta liquidez como eles comércio em bolsas de valores.

    A linha de fundo

    Os investimentos imobiliários oferecem um bom perfil de risco-retorno de alto valor. Consideração cuidadosa dos fatores acima mencionados em mente permitirá que os investidores para colher os benefícios, enquanto a mitigação dos riscos.

    Por Shobhit Seth | Atualizado em 30 de janeiro de 2017

    Curtir

  5. 4 Key Factors That Drive The Real Estate Market

    Real estate represents a significant portion of most people’s wealth, and this is especially true for many homeowners in the United States. According to thr most recent Survey of Consumer Finances by the Federal Reserve, 65.2% of American families owns their own primary residence. The size and scale of the real estate market make it an attractive and lucrative sector for many investors. This article will look at some of the main factors that affect the real estate market and the variety of investments available.

    Factors That Influence Real Estate

    Demographics
    Demographics are the data that describes the composition of a population, such as age, race, gender, income, migration patterns and population growth. These statistics are an often overlooked but significant factor that affects how real estate is priced and what types of properties are in demand. Major shifts in the demographics of a nation can have a large impact on real estate trends for several decades.

    For example, the baby boomers who were born between 1945 and 1964 are an example of a demographic trend with the potential to significantly influence the real estate market. The transition of these baby boomers to retirement is one of the more interesting generational trends in the last century, and the retirement of these baby boomers, which began back in 2010, is bound to be noticed in the market for decades to come.

    There are numerous ways this type of demographic shift can affect the real estate market, but for an investor, some key questions to ask might be: i) How would this affect the demand for second homes in popular vacation areas as more people start to retire? Or ii) How would this affect the demand for larger homes if incomes are smaller and the children have all moved out? These and other questions can help investors narrow down the type and location of potentially desirable real estate investments long before the trend has started.

    Interest Rates
    Interest rates also have a major impact on the real estate markets. Changes in interest rates can greatly influence a person’s ability to purchase a residential property. That is because the lower interest rates go, the lower the cost to obtain a mortgage to buy a home will be, which creates a higher demand for real estate, which again pushes prices up. Conversely, as interest rates rise, the cost to obtain a mortgage increases, thus lowering demand and prices of real estate.

    However, when looking at the impact of interest rates on an equity investment such as a real estate investment trust (REIT), rather than on residential real estate, the relationship can be thought of as similar to a bond’s relationship with interest rates. When interest rates decline, the value of a bond goes up because its coupon rate becomes more desirable, and when interest rates increase, the value of bonds decrease. Similarly, when the interest rate decreases in the market, REITs’ high yields become more attractive and their value goes up. When interest rates increase, the yield on an REIT becomes less attractive and it pushes their value down.

    The Economy
    Another key factor that affects the value of real estate is the overall health of the economy. This is generally measured by economic indicators such as the GDP, employment data, manufacturing activity, the prices of goods, etc. Broadly speaking, when the economy is sluggish, so is real estate.

    However, the cyclicality of the economy can have varying effects on different types of real estate. For example, if an REIT has a larger percentage of its investments in hotels, they would typically be more affected by an economic downturn than an REIT that had invested in office buildings. Hotels are a form of property that is very sensitive to economic activity due to the type of lease structure inherent in the business. Renting a hotel room can be thought of as a form of short-term lease that can be easily avoided by hotel customers should the economy be doing poorly. On the other hand, office tenants generally have longer-term leases that can’t be changed in the middle of an economic downturn. Thus, although you should be aware of the part of the cycle the economy is in, you should also be cognizant of the real estate property’s sensitivity to the economic cycle.

    Government Policies/Subsidies
    Legislation is also another factor that can have a sizable impact on property demand and prices. Tax credits, deductions and subsidies are some of the ways the government can temporarily boost demand for real estate for as long as they are in place. Being aware of current government incentives can help you determine changes in supply and demand and identify potentially false trends. For example, in 2009, the U.S. government introduced a first-time homebuyer’s tax credit to homeowners in an attempt to jump-start home sales in a sluggish economy (only those who purchased homes between 2008-2010 is eligible). According to the National Association of Realtors (NAR), this tax incentive alone led to 900,000 homebuyers to buy homes. This was quite a sizable increase, although temporary, and without knowing the increase was a result of the tax incentive, you may have ended up concluding that the demand for housing was going up based on other factors.

    What’s the Best Investment?
    The size and scale of the real estate market make it an attractive and lucrative market for many investors. Investors can invest directly in physical real estate or choose to invest indirectly through managed funds. Investing directly in real estate involves purchasing the residential or commercial property to use as an income-producing property or for resale at a future time. Indirect ways to invest in the real estate market include investing in real estate investment trusts (REITs), real estate exchange traded funds (ETFs), commingled real estate funds (CREFs) and infrastructure funds. Due to the higher liquidity available in the market, the lower transaction costs and lower capital requirements, average investors prefer to indirectly invest in real estate.

    The Bottom Line
    This article introduced some of the higher-level factors that play a significant role in moving the real estate market, but there are also more complex parts that come in to play. And although some of these aforementioned factors suggest a clear-cut relationship between the factor and the market, in practice, the results can be very different. However, understanding the key factors that drive the real estate market is essential to performing a comprehensive evaluation of a potential investment.

    By Joseph Nguyen

    Curtido por 1 pessoa

  6. 4 fatores-chave que impulsionam o mercado imobiliário

    Imobiliário representa uma parcela significativa da riqueza da maioria das pessoas, e isso é especialmente verdadeiro para muitos proprietários nos Estados Unidos. De acordo com a mais recente Pesquisa de Finanças do Consumidor pela Reserva Federal, 65,2% das famílias americanas possuem sua própria residência principal. O tamanho ea escala do mercado imobiliário torná-lo um setor atraente e lucrativo para muitos investidores. Este artigo irá analisar alguns dos principais fatores que afetam o mercado imobiliário ea variedade de investimentos disponíveis.

    Fatores que influenciam o setor imobiliário

    Demografia
    Demografia são os dados que descrevem a composição de uma população, como idade, raça, sexo, renda, padrões de migração e crescimento populacional. Essas estatísticas são um fator freqüentemente negligenciado, mas significativo, que afeta a maneira como a propriedade é avaliada e quais tipos de propriedades estão em demanda. Grandes mudanças na demografia de uma nação pode ter um grande impacto sobre as tendências imobiliárias por várias décadas.
    Por exemplo, os baby boomers que nasceram entre 1945 e 1964 são um exemplo de uma tendência demográfica com o potencial de influenciar significativamente o mercado imobiliário. A transição desses baby boomers para aposentadoria é uma das tendências geracionais mais interessantes no século passado, ea aposentadoria desses baby boomers, que começou em 2010, é obrigado a ser notado no mercado para as próximas décadas.
    Existem inúmeras maneiras este tipo de mudança demográfica pode afetar o mercado imobiliário, mas para um investidor, algumas perguntas-chave a fazer poderia ser: i) Como isso afetaria a demanda por segundas residências em áreas de férias populares como mais pessoas começam a se aposentar ? Ou ii) Como isso afetaria a demanda por casas maiores se os rendimentos forem menores e as crianças se mudarem? Estas e outras questões podem ajudar os investidores a reduzir o tipo ea localização dos investimentos imobiliários potencialmente desejáveis, muito antes do início da tendência.

    Taxa de juros
    As taxas de juros também têm um grande impacto nos mercados imobiliários. Mudanças nas taxas de juros podem influenciar muito a capacidade de uma pessoa para comprar uma propriedade residencial. Isso é porque as taxas de juros mais baixas ir, menor o custo para obter uma hipoteca para comprar uma casa será, o que cria uma maior procura de imóveis, o que novamente empurra os preços para cima. Inversamente, à medida que as taxas de juros aumentam, o custo para obter uma hipoteca aumenta, diminuindo a demanda e os preços dos imóveis.
    No entanto, ao olhar para o impacto das taxas de juros em um investimento de capital, como um fundo de investimento imobiliário (REIT), em vez de imóveis residenciais, o relacionamento pode ser pensado como semelhante ao relacionamento de um vínculo com as taxas de juros. Quando as taxas de juros diminuem, o valor de uma obrigação aumenta porque sua taxa de cupom se torna mais desejável e, quando as taxas de juros aumentam, o valor das obrigações diminui. Da mesma forma, quando a taxa de juros diminui no mercado, os altos rendimentos dos REITs se tornam mais atraentes e seu valor sobe. Quando as taxas de juros aumentam, o rendimento de um REIT torna-se menos atraente e empurra seu valor para baixo.

    A economia
    Outro fator-chave que afeta o valor do imobiliário é a saúde geral da economia. Isto é medido geralmente por indicadores econômicos tais como o GDP, os dados do emprego, a atividade de manufacturing, os preços dos bens, etc. Em sentido lato, quando a economia é lenta, é assim que propriedade real.
    No entanto, a ciclicidade da economia pode ter efeitos variados em diferentes tipos de imóveis. Por exemplo, se um REIT tiver uma porcentagem maior de seus investimentos em hotéis, eles normalmente seriam mais afetados por uma recessão econômica do que um REIT que investiu em prédios de escritórios. Hotéis são uma forma de propriedade que é muito sensível à atividade econômica devido ao tipo de estrutura de arrendamento inerente ao negócio. Alugar um quarto de hotel pode ser pensado como uma forma de arrendamento de curto prazo que pode ser facilmente evitado pelos clientes do hotel deve a economia estar fazendo mal. Por outro lado, inquilinos de escritório geralmente têm arrendamentos de longo prazo que não podem ser alterados no meio de uma crise econômica. Assim, embora você deve estar ciente da parte do ciclo da economia está dentro, você também deve estar ciente da sensibilidade da propriedade imobiliária para o ciclo econômico.

    Políticas governamentais / Subsídios
    A legislação é também outro fator que pode ter um impacto considerável sobre a demanda de propriedade e os preços. Créditos fiscais, deduções e subsídios são algumas das maneiras pelas quais o governo pode aumentar temporariamente a demanda por imóveis, enquanto eles estiverem no lugar. Estar ciente dos incentivos governamentais atuais pode ajudá-lo a determinar mudanças na oferta e demanda e identificar tendências potencialmente falsas. Por exemplo, em 2009, o governo dos Estados Unidos introduziu um crédito de imposto de homebuyer pela primeira vez aos proprietários em uma tentativa de pular as vendas de casas em uma economia lenta (apenas aqueles que compraram casas entre 2008-2010 é elegível). De acordo com a Associação Nacional de Realtors (NAR), este incentivo fiscal sozinho levou a 900.000 compradores de casas para comprar casas. Este foi um aumento considerável, embora temporário, e sem saber o aumento foi um resultado do incentivo fiscal, você pode ter acabado concluindo que a demanda por habitação estava subindo com base em outros fatores.

    Qual é o melhor investimento?
    O tamanho ea escala do mercado imobiliário torná-lo um mercado atraente e lucrativo para muitos investidores. Os investidores podem investir diretamente em imóveis físicos ou optar por investir indiretamente através de fundos gerenciados. Investir diretamente em imóveis envolve a compra da propriedade residencial ou comercial para uso como uma propriedade de renda ou para revenda em tempo futuro. Maneiras indiretas de investir no mercado imobiliário incluem o investimento em fundos de investimento imobiliário (REITs), fundos negociados em câmbio imobiliário (ETFs), fundos imobiliários mistos (CREFs) e fundos de infra-estrutura. Devido à maior liquidez disponível no mercado, aos menores custos de transação e menores exigências de capital, os investidores médios preferem indiretamente investir em imóveis.

    A linha de fundo
    Este artigo introduziu alguns dos fatores de alto nível que desempenham um papel significativo na movimentação do mercado imobiliário, mas também há partes mais complexas que vêm para jogar. E embora alguns desses fatores sugerem uma relação clara entre o fator eo mercado, na prática, os resultados podem ser muito diferentes. No entanto, a compreensão dos principais fatores que impulsionam o mercado imobiliário é essencial para realizar uma avaliação abrangente de um potencial investimento.

    Por Joseph Nguyen

    Curtir

  7. Getting Started In Stocks

    So you’ve decided to invest in the stock market. Congratulations! Historically, investing in stocks has handily outperformed investing in bonds, Treasury bills, gold or cash over the long term. In the short term, one or another asset may outperform stocks, but overall, stocks have historically been the winning path.

    But there are so many ways to invest in stocks. Individual stocks, mutual funds, index funds, ETFs, domestic, foreign – how can you decide what is right for you? This article will address several issues that you, as a new (or not-so-new) investor, might want to consider so that you can rest more easily while letting your money grow.

    Risk Taker, Risk Averse or in the Middle?
    You may be eager to get started so that you, too, can make those fabulous returns you hear so much about. But slow down and take a moment to contemplate some simple questions. The time spent now to consider the following will save you money down the road.

    What kind of person are you? Are you a risk-taker, willing to throw money at a chance to make a lot of money, or would you prefer a more “sure” thing? What would be your likely response to a 10% drop in a single stock in one day or a 35% drop over the course of a few weeks? Would you sell it all in a panic?

    The answers to these and similar questions will lead you to consider different types of equity investments, such as mutual or index funds versus individual stocks. If you are naturally not someone who takes risks, and feel uncomfortable doing so but still want to invest in stocks, the best bet for you might be mutual funds or index funds. This is because they are well-diversified and contain many different stocks. This reduces risk – and doesn’t require individual stock research.

    How Much Time and Interest Do You Have for Investing?
    Should you invest in funds, stocks or both? The answer depends on how much time you wish to devote to this endeavor. Careful selection of mutual or index funds would let you invest your money, leaving the hard work of picking stocks to the fund manager. Index funds are even simpler in that they move up or down according to the type of company, industry or market they are designed to track.

    Individual stock investing is the most time-consuming as it requires you to make judgments about management, earnings and future prospects. As an investor, you are attempting to distinguish between money-making stocks and financial disaster. You need to know what they do, how they make their money, the risks, the future prospects and much more.

    Therefore, ask yourself how much time you have to devote to this enterprise. Are you willing to spend a couple of hours a week, or more, to read about different companies, or is your life just too busy to carve out that time? Investing in individual stocks is a skill, which, like any other, takes time to develop.

    Eggs in One Basket
    It is best that you not be exposed to only one type of asset. For instance, don’t put all of your money in small biotech companies. Yes, the potential gain can be quite high, but what will happen to your investment if the Food and Drug Administration starts rejecting a higher percentage of new drugs? Your entire portfolio would be negatively impacted.

    It is better to be diversified across several different sectors such as real estate (a real estate investment trust is one possibility), consumer goods, commodities, insurance, etc., rather than focus on one or two or three, as above. Consider diversifying across asset classes as well by keeping some money in bonds and cash, rather than being 100% invested in stocks. How much to have in these different sectors and classes is up to you, but being invested more broadly lessens the risk of losing it all at any one time.

    A Portfolio for Beginners
    If you are just starting out, think seriously about investing most of your money in a couple of index funds, such as one tracking the broad market (e.g. the S&P 500) and one that gives some international exposure. Maybe adding one that tracks small companies (e.g. the Russell 2000) would give your portfolio a boost.

    A portfolio consisting of those three would give plenty of diversification, provide the steadier performance of large companies and be spiced up a bit with both international companies and small caps.

    A Portfolio with Individual Stocks
    If you are investing in individual stocks, a portfolio of 12 to 20 well-chosen ones will give you plenty of diversification and probably will not be too many to follow regularly. However, you will need to ensure that you fully understand each company, from its businesses to its risks. If you plan to invest in only stocks, make sure to spread the funds across different sectors such as health care, technology, small cap and big cap.

    If you don’t have the time or desire to pick as well as follow that many stocks, consider investing in a mixture of index funds and individual stocks. Another consideration, especially if starting out with limited funds, is that investing in 12 to 20 stocks may not be feasible. Therefore, having the majority of your money in funds would provide the stabler returns they tend to generate. Adding in maybe a half dozen individual stocks could give your portfolio an extra kick.

    Time to Invest
    Once you’ve determined the shape of your portfolio, it is time to invest. Find a broker you are comfortable with, either an online broker or one with a local office or both. Call and talk with this person if necessary. Then fill out the paperwork, deposit some money and open an account.

    After deciding what to buy, don’t buy all at once: enter slowly. What if you invested all your money just before a market downturn? Being in the red that quickly wouldn’t do much for your confidence. Plan to take several months to invest all of your money to minimize any market timing risk. Finally, remember to set aside time each week to review or catch up on the news for your investments.

    Keep Adding
    As your experience grows, your asset allocation decisions will probably change. You could adjust your portfolio on a regular basis, say every year or so, by selling some of one type of investment and buying more of another. You could also adjust your portfolio by adding additional funds to those areas in which you want to increase exposure.

    These additional funds can be used to expand the number of securities you hold or can be added to existing holdings. Do this on a regular basis and before you realize it, you’ll have a substantial portfolio that will help fund your retirement, pay for a second home or meet whatever financial goals you set when you started your investing journey.

    The Bottom Line

    Before you jump into the stock market, spend some time thinking about what you want to accomplish and how to do that while staying within your risk tolerance levels. Also consider how much time you have to devote to investing. Doing this before committing those first dollars will go a long way toward protecting you from the emotional roller coaster of investing first one way, then another, never really knowing why you are changing your mind.

    Careful thought before and during your investing career will do more to help your results than trying to chase the latest hot stock. After all, it’s your money – you should know what you are doing with it and why.

    By Jim Mueller | Updated February 3, 2017

    Curtido por 1 pessoa

    • Começando Em Stocks

      Então você decidiu investir no mercado de ações. Parabéns! Historicamente, investir em ações tem superado com facilidade o investimento em títulos, letras do Tesouro, ouro ou dinheiro a longo prazo. No curto prazo, um ou outro ativo pode superar as ações, mas em geral, as ações têm sido historicamente o caminho vencedor.

      Mas há tantas maneiras de investir em ações. Ações individuais, fundos mútuos, fundos de índice, ETFs, domésticos, estrangeiros – como você pode decidir o que é certo para você? Este artigo irá abordar várias questões que você, como um novo (ou não-assim-novo) investidor, pode querer considerar para que você possa descansar mais facilmente ao deixar o seu dinheiro crescer.

      Risk Taker, Risk Averse ou no meio?
       Você pode estar ansioso para começar de modo que você, também, pode fazer esses fabulosos retornos você ouvir muito sobre. Mas desacelerar e ter um momento para contemplar algumas perguntas simples. O tempo gasto agora para considerar o seguinte vai poupar dinheiro na estrada.

      Que tipo de pessoa és tu? Você é um tomador de risco, disposto a jogar dinheiro com uma chance de ganhar muito dinheiro, ou prefere uma coisa mais “certa”? Qual seria a sua resposta provável a uma queda de 10% em um único estoque em um dia ou uma queda de 35% ao longo de algumas semanas? Você venderia tudo em pânico?

      As respostas a essas e perguntas semelhantes levará você a considerar diferentes tipos de investimentos de capital, como fundos mútuos ou de índice versus ações individuais. Se você naturalmente não é alguém que assume riscos, e se sentir desconfortável fazê-lo, mas ainda querem investir em ações, a melhor aposta para você pode ser fundos mútuos ou fundos de índice. Isso é porque eles estão bem diversificados e contêm muitos estoques diferentes. Isso reduz o risco – e não requer pesquisa de ações individuais.

      Quanto tempo e interesse você tem para investir?
       Você deve investir em fundos, ações ou ambos? A resposta depende de quanto tempo você deseja dedicar a este esforço. A seleção cuidadosa de fundos mútuos ou de índice permitiria que você invest seu dinheiro, saindo do trabalho duro de escolher estoques ao gerente de fundo. Fundos de índice são ainda mais simples na medida em que eles se movem para cima ou para baixo de acordo com o tipo de empresa, indústria ou mercado que eles são projetados para acompanhar.

      Investimento de ações individuais é o mais demorado, pois exige que você faça julgamentos sobre gestão, ganhos e perspectivas futuras. Como um investidor, você está tentando distinguir entre estoque de fazer dinheiro e desastre financeiro. Você precisa saber o que eles fazem, como eles fazem o seu dinheiro, os riscos, as perspectivas futuras e muito mais.

      Portanto, pergunte a si mesmo quanto tempo você tem para dedicar a esta empresa. Você está disposto a passar um par de horas por semana, ou mais, para ler sobre diferentes empresas, ou é a sua vida apenas ocupado demais para esculpir esse tempo? Investir em ações individuais é uma habilidade que, como qualquer outra, leva tempo para se desenvolver.

      Ovos em uma cesta
       É melhor que você não seja exposto a apenas um tipo de ativo. Por exemplo, não coloque todo o seu dinheiro em pequenas empresas de biotecnologia. Sim, o ganho potencial pode ser bastante alto, mas o que acontecerá ao seu investimento se a Food and Drug Administration começar a rejeitar uma maior percentagem de novos medicamentos? Todo o seu portfólio seria negativamente impactado.

      É melhor ser diversificado em vários setores diferentes, como imóveis (um investimento imobiliário é uma possibilidade), bens de consumo, commodities, seguros, etc, em vez de se concentrar em um ou dois ou três, como acima. Considere a diversificação em classes de ativos, bem como manter algum dinheiro em títulos e em dinheiro, em vez de ser 100% investido em ações. Quanto a ter nesses diferentes setores e classes é até você, mas ser investido mais amplamente diminui o risco de perder tudo a qualquer momento.

      Um portfólio para iniciantes
       Se você está apenas começando, pense seriamente em investir a maior parte do seu dinheiro em um par de fundos de índice, como um rastreamento do mercado amplo (por exemplo, o S & P 500) e um que dá alguma exposição internacional. Talvez adicionar um que rastreia as pequenas empresas (por exemplo, o Russell 2000) daria a sua carteira um impulso.

      Um portfólio composto por esses três daria muita diversificação, proporcionaria o desempenho mais estável de grandes empresas e ser temperado um pouco com empresas internacionais e pequenas capitalizações.

      Uma carteira com ações individuais
       Se você está investindo em ações individuais, uma carteira de 12 a 20 bem escolhidos vai lhe dar muita diversificação e provavelmente não será demais para acompanhar regularmente. No entanto, você precisará garantir que você compreenda plenamente cada empresa, de seus negócios aos seus riscos. Se você planeja investir em apenas ações, certifique-se de espalhar os fundos em diferentes setores, tais como cuidados de saúde, tecnologia, pequena PAC e big cap.

      Se você não tem o tempo ou desejo de escolher, bem como seguir que muitas ações, considere investir em uma mistura de fundos de índice e ações individuais. Outra consideração, especialmente se começar com fundos limitados, é que investir em 12 a 20 ações pode não ser viável. Conseqüentemente, ter a maioria de seu dinheiro nos fundos forneceria os retornos mais stables que tendem a gerar. Adicionar em talvez uma meia dúzia de ações individuais poderia dar a sua carteira um pontapé extra.

      Hora de investir
      Depois de determinar a forma do seu portfólio, é hora de investir. Encontrar um corretor que você está confortável, com um corretor on-line ou um com um escritório local ou ambos. Ligue e fale com essa pessoa, se necessário. Em seguida, preencha a papelada, depositar algum dinheiro e abrir uma conta.

      Depois de decidir o que comprar, não compre tudo de uma vez: entrar lentamente. E se você investiu todo seu dinheiro antes de uma recessão no mercado? Estar no vermelho que rapidamente não faria muito por sua confiança. Planeje levar vários meses para investir todo o seu dinheiro para minimizar qualquer risco de mercado. Finalmente, lembre-se de reservar tempo cada semana para rever ou acompanhar as notícias para seus investimentos.

      Continuar adicionando
      À medida que sua experiência cresce, suas decisões de alocação de ativos provavelmente mudarão. Você poderia ajustar seu portfolio em uma base regular, digamos cada ano ou assim, vendendo algum de um tipo de investimento e comprando mais de outro. Você também pode ajustar seu portfólio, adicionando fundos adicionais para as áreas em que você deseja aumentar a exposição.

      Esses fundos adicionais podem ser usados ​​para expandir o número de títulos que você possui ou pode ser adicionado a participações existentes. Faça isso em uma base regular e antes que você perceba, você terá uma carteira substancial que irá ajudar a financiar sua aposentadoria, pagar por uma segunda casa ou cumprir quaisquer metas financeiras que você definir quando você começou a sua viagem de investimento.

      A linha de fundo

      Antes de saltar para o mercado de ações, gaste algum tempo pensando sobre o que você quer realizar e como fazer isso enquanto permanecer dentro de seus níveis de tolerância ao risco. Considere também quanto tempo você tem que dedicar ao investimento. Fazendo isso antes de cometer os primeiros dólares vai percorrer um longo caminho para protegê-lo da montanha-russa emocional de investir primeiro de uma maneira, em seguida, outra, nunca realmente saber por que você está mudando de idéia.

      Pensamento cuidadoso antes e durante a sua carreira de investir fará mais para ajudar seus resultados do que tentar perseguir o mais recente estoque quente. Afinal, é seu dinheiro – você deve saber o que você está fazendo com ele e por quê.

      By Jim Mueller | Updated February 3, 2017

      Curtir

  8. The Truth About Stock Market Highs and Lows

    “It was the best of times, it was the worst of times, it was the age of wisdom, it was the age of foolishness, it was the epoch of belief, it was the epoch of incredulity, it was the season of Light, it was the season of Darkness, it was the spring of hope, it was the winter of despair, we had everything before us, we were all going direct to Heaven, we were all going direct the other way.” – Charles Dickens

    In the financial community, for every cogent argument there is usually an equally compelling view to the contrary. As often as one observer opines that we are at a market peak there is another who beats on the drum of unusual opportunities.

    Market Highs and Lows
    Is the market too high? Too low? Who is to say? Yet over time, the Dow Jones Industrial Average has climbed from 100 to 1,000 and then on to 10,000 and higher. For those who lament that stocks are too high, one needs only to point out where the averages were when that person was born or had some other life event. For those who fret about periodic down markets, it seems worth considering that there is a far greater likelihood that the averages will gain 100% than they will drop to zero. Barring Armageddon, in which case it will not matter anyway, the long-term path of least resistance is up.

    Reacting to the Market
    Even so, investors tend to be counterintuitive. Consider the lowly can of tuna fish, which may be selling in the local market for $1.50 each. Should the price of a can of tuna rise to $5, there would be few buyers. If, on the other hand, tuna plunges to 50 cents a can, demand would go through the roof. Yet with investors, behavior patterns are the exact opposite. The higher stocks climb, the more appeal they seem to have. When prices plunge and everything’s on sale, nobody is interested in buying.

    Some of the greatest Wall Street sales of all time took place during the early 1930s, late 1974, early 2002, and March 2009. As extraordinary as the opportunities were at those times, few investors were sufficiently rational and insufficiently emotional to take advantage. The tiny minority with the fortitude to take action, however, were extremely well-rewarded. Why the reluctance to climb aboard? Simply because the watchword of those difficult times was fear, the fear that this time around would see the end of the real world as we had gotten used to knowing it.

    Perhaps that was understandable, but when one recalls the great calamities of our time, including two world wars, the Great Depression, the attacks of September 11, and presidential assassinations and realizes that the investment world has survived and prospered in spite of it all, the optimistic view emerges as the only viable option. The market is far more likely to double than plunge into the abyss.

    What takes place in the short term is unknowable. Efforts to discern otherwise are nothing more than wasted time. Still, investors have a special fascination with those who would have them believe in their abilities to foretell the fluctuations of the immediate future. If they should happen to offer the fountain of youth as a bonus for those foolish enough to buy into their pronouncements, so much the better.

    Financial Weather vs. Climate
    The behavior of the investment markets bears a striking resemblance to the difference between the weather and the climate. Weather is a short-term phenomenon; climate is what prevails over longer periods of time. When folks consider places to live, they think about the climate. Average temperatures and rainfall are usually predictable with a high degree of accuracy from year to year. But, if one tried to predict the weather for even a few days ahead, the odds of getting it right would deteriorate badly. The same is true of investments, especially stocks. If corporate fortunes improve over time, stock prices will move higher. They rarely move in tandem, but there’s usually a correlation when one takes the longer view.

    What takes place during interim periods is a completely different story. At those times, external factors play a more significant role, not infrequently obliterating the influence of internal factors. Take, for example, the impact of the regular meetings of the Federal Reserve Board’s Open Market Committee. These are the meetings at which the Fed’s governors assess the prognosis for the economy and decide on interest rates. Of all the external factors that play upon the market, this is one of the most influential. Indeed, the market response directly following a Fed announcement may be dramatic, though it frequently turns out to be unrelated to what may follow over the next few days. If interest rates move higher or lower or when the Fed changes the wording in the commentary that accompanies its actions, that alone will change the tide, if only for a short time. Here again, the weather is the driving force, albeit temporarily.

    Normal or Fair Market Value
    Along with the thought of peaks and valleys is the concept of normal or fair market value. Many Wall Street seers have become infatuated with the concept that there is a way to come up with a defensible number for near-term market ranges. Indeed, every so often key business publications ask the gurus where the market will be in six or 12 months. Most are only too happy to throw their darts. The fallacy is that more often than not the market will sell above or below what might otherwise be considered a normal level. What’s even more fascinating is when any of the predictions ends up being close to the actual result and that predictor receives accolades for his or her vision. That’s silliness carried to an extreme. The reality in these cases is that it was coincidence. Nothing more.

    Market returns over the many decades when records have been kept suggest patterns that make some sense. Strong periods are followed by weak periods and vice versa. The recent experience of the 1980s and 1990s bears testimony to this kind of occurrence. Returns during the last score of 20th century years were well above the prior mean return, which approximated 10% annually. So when the bottom line for the most recent decade ended up in the red it was further evidence of the balance that plays out over extended periods.

    The fact that the numbers for such a span are poor does not preclude the possibility of good results from sectors and companies within those sectors that have prospered. Similarly, even in boom times there are those that disappoint. To be positioned for the more favorable opportunities, the sensible investor needs to diversify properly, by sector, by industry, by country and by asset class. Doing so is akin to the realization that by weaving together a number of threads, each of which may be weak, one ends up with a fabric that is strong.

    Yesterday is not ours to recover, but tomorrow is ours to win or lose. – Lyndon B. Johnson

    Russell Wayne, CFP® January 23, 2017

    Curtido por 1 pessoa

  9. A verdade sobre altos e baixos do mercado conservado em estoque
     
    “Era o melhor dos tempos, era o pior dos tempos, era a idade da sabedoria, era a idade da tolice, era a época da crença, era a época da incredulidade, era a estação da Luz, Era a estação da escuridão, era a primavera da esperança, era o inverno do desespero, tínhamos tudo diante de nós, todos estávamos indo direto para o Céu, todos nós estávamos indo para o outro lado. “- Charles Dickens

    Na comunidade financeira, para cada argumento convincente há geralmente uma visão igualmente convincente em contrário. Tão frequentemente como um observador opines que estamos em um pico de mercado há outro que bate no tambor de oportunidades incomuns.

    Altos e baixos do mercado
    O mercado é muito alto? Muito baixo? Quem está a dizer? No entanto, ao longo do tempo, a Dow Jones Industrial Average subiu de 100 para 1.000 e depois para 10.000 e superior. Para aqueles que lamentam que os estoques são muito altos, é preciso apenas para apontar onde as médias eram quando essa pessoa nasceu ou teve algum outro evento da vida. Para aqueles que se preocupam com periodicamente para baixo mercados, parece vale a pena considerar que há uma probabilidade muito maior de que as médias vão ganhar 100% do que eles vão cair para zero. Restando Armageddon, caso em que não importa de qualquer maneira, o caminho de longo prazo de menor resistência está acima.

    Reagindo ao Mercado
    Mesmo assim, os investidores tendem a ser contra-intuitivos. Considere a pequena lata de atum, que pode estar vendendo no mercado local por US $ 1,50 cada. Se o preço de uma lata de atum subir para US $ 5, haveria poucos compradores. Se, por outro lado, o atum mergulha a 50 centavos por lata, a demanda passaria pelo telhado. No entanto, com os investidores, os padrões de comportamento são exatamente o oposto. As ações mais altas subir, o recurso mais eles parecem ter. Quando os preços mergulham e tudo está à venda, ninguém está interessado em comprar.

    Algumas das maiores vendas de Wall Street de todos os tempos ocorreram durante o início da década de 1930, no final de 1974, início de 2002 e março de 2009. Por mais extraordinárias que fossem as oportunidades naquela época, poucos investidores eram suficientemente racionais e insuficientemente emocionais para tirar vantagem. A minoria minúscula com a fortaleza para agir, no entanto, foram extremamente bem recompensado. Por que a relutância em subir a bordo? Simplesmente porque a palavra de ordem desses tempos difíceis era o medo, o medo de que desta vez veria o fim do mundo real como tínhamos nos acostumado a conhecê-lo.

    Talvez isso fosse compreensível, mas quando se recorda as grandes calamidades de nosso tempo, incluindo duas guerras mundiais, a Grande Depressão, os ataques de 11 de setembro e assassinatos presidenciais e percebe que o mundo do investimento sobreviveu e prosperou apesar de tudo, A visão otimista surge como a única opção viável. O mercado é muito mais provável dobrar do que mergulhar no abismo.

    O que ocorre no curto prazo é incognoscível. Esforços para discernir o contrário não são nada mais do que desperdício de tempo. Ainda assim, os investidores têm um fascínio especial com aqueles que querem que eles acreditem em suas habilidades para prever as flutuações do futuro imediato. Se acontecerem de oferecer a fonte da juventude como um bônus para aqueles tolos o suficiente para comprar em seus pronunciamentos, tanto melhor.

    Clima Financeiro vs. Clima
    O comportamento dos mercados de investimento tem uma notável semelhança com a diferença entre o clima eo clima. O tempo é um fenômeno de curto prazo; O clima é o que prevalece ao longo de períodos de tempo mais longos. Quando as pessoas consideram lugares para viver, eles pensam sobre o clima. Temperaturas médias e precipitação são geralmente previsíveis com um alto grau de precisão de ano para ano. Mas, se alguém tentasse prever o tempo para até mesmo alguns dias à frente, as probabilidades de fazê-lo direito iria deteriorar-se mal. O mesmo é verdade para os investimentos, especialmente ações. Se as fortunas corporativas melhorarem com o tempo, os preços das ações se moverão mais alto. Eles raramente se movem em tandem, mas geralmente há uma correlação quando se toma a visão mais longa.

    O que ocorre durante os períodos intermediários é uma história completamente diferente. Naqueles momentos, fatores externos desempenham um papel mais significativo, não raro obliterando a influência de fatores internos. Tomemos, por exemplo, o impacto das reuniões regulares do Comitê de Mercado Aberto da Reserva Federal. Estas são as reuniões em que os governadores do Fed avaliar o prognóstico para a economia e decidir sobre as taxas de juros. De todos os fatores externos que jogam no mercado, este é um dos mais influentes. De fato, a resposta do mercado diretamente após um anúncio do Fed pode ser dramática, embora freqüentemente se mostre não relacionada ao que pode acontecer nos próximos dias. Se as taxas de juros se moverem mais ou menos ou quando o Fed mudar a redação no comentário que acompanha suas ações, isso sozinho mudará a maré, mesmo que por pouco tempo. Aqui novamente, o tempo é a força motriz, embora temporariamente.

    Valor de mercado normal ou justo
    Junto com o pensamento de picos e vales é o conceito de normal ou valor justo de mercado . Muitos videntes de Wall Street tornaram-se apaixonados com o conceito de que há uma maneira de chegar a um número defensável para os intervalos de mercado de curto prazo. Na verdade, de vez em quando as principais publicações empresariais perguntam aos gurus onde o mercado estará em seis ou 12 meses. A maioria está muito feliz de jogar seus dardos. A falácia é que mais frequentemente do que não o mercado vai vender acima ou abaixo do que poderia ser considerado um nível normal. O que é ainda mais fascinante é quando qualquer uma das previsões acaba por estar perto do resultado real e que predictor recebe elogios para a sua visão. Isso é bobagem levado ao extremo. A realidade nesses casos é que foi coincidência. Nada mais.

    Os retornos de mercado ao longo das muitas décadas em que os registros foram mantidos sugerem padrões que fazem algum sentido. Os períodos fortes são seguidos por períodos fracos e vice-versa. A experiência recente das décadas de 1980 e 1990 comprova esse tipo de ocorrência. Retornos durante a última pontuação de anos do século 20 foram bem acima do retorno médio anterior, que aproximou 10% ao ano. Assim, quando a linha de fundo para a década mais recente terminou no vermelho foi mais uma prova do equilíbrio que se realiza durante longos períodos.

    O fato de que os números para tal extensão são pobres não exclui a possibilidade de bons resultados de setores e empresas dentro desses setores que prosperaram. Da mesma forma, mesmo em tempos de boom, há aqueles que decepcionam. Para ser posicionado para as oportunidades mais favoráveis, o investidor sensato precisa diversificar corretamente, por sector , pela indústria, por país e por classe de activos . Fazê-lo é semelhante à realização que, tecendo juntos um número de fios, cada um dos quais pode ser fraco, um acaba com um tecido que é forte.

    Ontem não é nosso para recuperar, mas amanhã é nosso para ganhar ou perder. – Lyndon B. Johnson

    Russell Wayne, CFP® 23 de janeiro de 2017

    Curtir

      • Então, demorei menos de 1 dia para abrir a conta, foi muito rapido. O meu intuito é LP mesmo, buscar renda em dollar, agora é estudar o mercado de lá um pouco e ver onde da pra enfiar cash.
        Abração

        Curtido por 2 pessoas

    • Coyote ainda não invisto , porem esta no meu radar ! alias ótimo momento para tu mandar remessa e comprar também.

      Esta rolando liquidação por lá com expectativa do aumento de juros pelo FED ” Ajuste de yield igualmente acontece no mercado brasileiro” Na outra ponta real esta apreciando em relação ao dólar.

      Diria que é o melhor dos dois mundo ” Dólar depreciado + elevação dos yields.

      Curtido por 2 pessoas

      • Tem que abrir uma conta em uma corretora, ai tem varias…
        Pra mandar o Cash, da pra mandar de varias formas tb, o problema é taxas…
        A forma de transferir diponivel na corretora que abri a conta é esta:

        Curtir

    • Coyote,

      Tenho REITs ( exclusivamente nos EUA) faz dois anos. Um investimento interessante, com Yields bem diferentes daqui, obviamente.
      Neste momento parece haver duas “forças” influenciando as expectativas dessa classe de ativos:

      1. Ciclo de aumento das taxas de juros pelo FED. Ainda que relativamente “leve” parece que o FED deve dar uma celerada na correção dos juros por lá. Com a obrigação de distribuir 95% dos rendimentos, os REITs se alavancam muito para fazer os investimentos. Diferente daqui eles estão sempre adquirindo mais ativos para o portfólio e fazem isto com o dinheiro que tomam do mercado. Esta foi uma “boa prática” nos tempos de juros baixíssimos praticados pós crise 2008. Agora o quadro se inverte, muito analisam o aumento dos juros como uma ameaça à saúde financeira desses ativos;

      2. Promessas de campanha do atual presidente de investir em infraestrutura e “conter” os custos relativos aos empreendimentos, inclusive imobiliários. A idéia de colocar dinheiro diretamente na economia real ( através de contratos de grandes obras, etc) ao invés do dinheiro colocado via mercado financeiro, por meio do tal “Quantitive Easing”, parece ser interessante para a economia em geral e , em particular, para os investimentos imobiliários. Isto leva alguns analistas a acreditar que a nova política econômica americana coloque mais “combustível” nos REITS.

      Segue um grafico que eu fiz com um dos índices americanos que acompanham os REITS:

      Acompanhando as variações de preços dos REITs nos últimos meses, dá para se perceber está “queda de braço”.

      Se as “forças” da condição (1) forem predominantes nos próximos meses, talvez valha a pena esperar um pouco mais para entrar, já se a condição (2) prevalecer, agora é um bom momento de entrada.

      Para um investidor de longo prazo, este “momentum” tem uma importância relativa.

      Curtido por 3 pessoas

Não postar Links, nem referências à sites Externos, Emails, Telefones.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s