RBRD11 – RB Capital Renda II

O fundo é administrado pela Votorantim Asset DTVM, em condomínio fechado e com prazo de duração indeterminado.

O objetivo de investimento do FII são prédios comerciais, construídos sob medida para seus locatários ( Build-to-Suit ), normalmente locados para grandes empresa nacionais e multinacionais.

Trata-se portanto de um FII de Tijolo – Imóveis Comerciais – Logístico, segundo a classificação do Ranking dos FIIs.

rbrd11

Atualmente o patrimônio do fundo é representado por 4 prédios, sendo 2 no RJ (Rio de Janeiro e São Gonçalo), 1 em RN (Natal) e 1 em MG(Uberlândia), com contratos de locação de longo prazo 2024/25 e locado para 3 inquilinos:

Ambev: Centro de Distribuição MG: 8.362 m²

Ampla: Centro Corporativo RJ: 10.219 m²

Lojas Leader: Mega lojas RJ: 3.308 m² / RN: 3.683 m²

O diferencial aqui é o pagamento anual de um dos inquilinos, Ampla, pago em Outubro e distribuído aos Cotistas em Novembro, o que eleva a média mensal de rendimentos deste FII.

RBRD11_c

Sobre as multas rescisórias:
1 – Ampla (aluguel pago com periodicidade anual): valor correspondente a 18 (dezoito) vezes o aluguel vigente à época da rescisão, subtraídos os aluguéis anteriormente pagos;
2 – Leader (lojas Campo Grande e Natal):  valor correspondente ao resultado da multiplicação do número de meses remanescente para o término do Contrato, pelo valor do aluguel em vigor à época da ocorrência do fato, corrigido monetariamente.
3 – Ambev: valor correspondente ao resultado da multiplicação do período remanescente para o término do Contrato de Locação Atípica, pelo valor do aluguel em vigor à época da ocorrência do fato, corrigido monetariamente.

60% dos aluguéis vem da Leader (varejo)
30% da Ampla (escritórios)
10% da Ambev (logístico)

Imóveis % em relação às receitas do FII

Ambev 10,31%
RODOVIA AYRTON SENNA - UBERLÂNDIA - MG 
Área (m2): 6.884,00 
Nº de unidades ou lojas: 1

Ampla 29,42%
RUA DR. NILO PEÇANHA Nº 564, BAIRRO SÃO MIGUEL - SÃO GONÇALO – RJ 
Área (m2): 12.510,75 
Nº de unidades ou lojas: 1
 
Leader Catete  34,68%
RUA DO CATETE N° 194 E 196, ESQUINA COM RUA CORREA DUTRA - RIO DE JANEIRO – RJ 
Área (m2): 3.844,99 
Nº de unidades ou lojas: 1

Leader Natal 25,59%
RUA JOÃO PESSOA, 86 - NATAL – RN 
Área (m2): 3.682,78 
Nº de unidades ou lojas: 1

Taxas:
Administração: 0,17%a.a. sobre patrimônio liquido do fundo.
Escrituração e gestão já incluídas na taxa de administração.
Consultoria:
0,10%a.a. sobre patrimônio liquido.

RI: vwmprodutosestruturados@votorantimwm.com.br

Tutor do FII: AHChaves

Autor: Tetzner

Engenheiro, Investidor há mais de20 anos, autor de 2 livros e pioneiro em Fundos Imobiliários :)

750 comentários em “RBRD11 – RB Capital Renda II”

    1. FATO RELEVANTE

      São Paulo, 04 de março de 2020.
      A VOTORANTIM ASSET MANAGEMENT D.T.V.M. LTDA., na qualidade de administradora
      (“Administradora”) e a RB CAPITAL ASSET MANAGEMENT LTDA., na qualidade de gestora (“Gestora”)
      do RB CAPITAL RENDA II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO – FII, inscrito no CNPJ/MF sob nº
      09.006.914/0001-34, (Ticker B3: “RBRD11”) (“Fundo”), vêm, pelo presente, informar aos cotistas do
      Fundo e ao Mercado que tomou conhecimento da distribuição do Pedido de Recuperação Judicial do
      Grupo Leader, sob o nº 0047010-37.2020.8.19.0001, em trâmite perante a 3ª Vara Empresarial da
      Comarca do Rio de Janeiro, sendo certo que a União de Lojas Leader S.A. (Locatária nos Instrumentos
      Particulares de Contrato de Locação Atípica e Outras Avenças firmados com o Fundo) figura dentre as
      requerentes no polo ativo.

      Em relação à inadimplência da Locatária divulgada em 12/02/2020, informamos que os referidos
      valores foram recebidos pelo Fundo previamente ao referido pedido de Recuperação Judicial.

      Por fim, destacamos que o Fundo está em contato com assessores legais a fim de que sejam tomadas
      quaisquer medidas cabíveis diante de tal fato e que qualquer nova informação relevante será
      oportunamente informada pela administradora do Fundo.

      VOTORANTIM ASSET MANAGEMENT D.T.V.M. LTDA.

      Curtir

      1. Vamos acompanhar, mas RJ não suspende deveres e obrigações, veja trecho de uma decisão proferida contra a Ricardo Eletro.
        “O advento de recuperação judicial do locatário não tem o condão de suspender ação de despejo promovida pelo locador por falta de pagamento de créditos não sujeitos ao concurso; mais precisamente os alugueres posteriores ao pedido de recuperação.”

        Curtir

      2. Durante o período de recuperação judicial a empresa deve honrar seus compromissos pontualmente sob pena de anulação da recuperação judicial. As dívidas que ficaram para trás é que são objeto do acordo de recuperação judicial.

        Curtir

      3. ‘Recuperação judicial é a reorganização econômica, administrativa e financeira de uma empresa, feita com a intermediação da Justiça, para evitar a sua falência.

        Em linhas gerais, uma empresa precisa passar por um processo de recuperação quando está endividada e não consegue gerar lucro suficiente para cumprir suas obrigações, como pagar seus credores, fornecedores, funcionários e impostos.

        A negociação de um plano de recuperação interessa não apenas ao devedor que deseja evitar a falência, mas também às partes com as quais a empresa está em dívida, já que a recuperação é uma forma de garantir os interesses dos credores e dos empregados, graças à possibilidade de recuperação dos créditos e de manutenção dos empregos.’

        Curtir

  1. ECONOMIA
    Leader vai pedir recuperação judicial
    Por Lauro Jardim

    01/03/2020 10:20
    Hudson PontesHudson Pontes | Agência O Globo

    Acossada por uma dívida de RS 1,2 bilhão, a Leader entra nos próximos dias com um pedido de recuperação judicial na Justiça do Rio de Janeiro.

    Há dois anos, a rede de artigos de vestuário, cama e mesa, com 90 lojas em nove estados e que até 2016 pertenceu ao BTG, já entrara em recuperação extrajudicial.

    Curtir

    1. Certa feita, eu tinha umas terras arrendadas para um grupo sucroalcooleiro do nordeste cujos acontecimentos o levaram a pedir recuperação judicial também, as dívidas ultrapassavam um bilhão de reais, bancos eram aos grandes credores. Curioso o fato deles estarem em situação financeira ruim há muitos anos e os bancos ainda continuavam a soltar empréstimos, eram créditos fartos para reformar, ampliar e construir novas usinas e assim continuou essa farra por mais de uma década.
      Entrado com o pedido de recuperação judicial, só para decidir qual comarca deveria julgar o pedido foi um ano, vai vendo o tanto de maracutaia que rola nesses casos, depois mais um ano até sair a decisão e o acordo com os principais credores, bancos e grandes fornecedores. O acordo muito vantajoso para o devedor foi o seguinte : de cara 60% do montante da dívida perdoada, os 40% restantes a serem pagos divididos em dez anos após dois anos de carência, não me lembro exatamente qual percentual de correção, mas era coisa na casa dos 3% a.a., não cobria nem a inflação, negócio de compadres.
      Quanto a mim perdi cinco meses de renda da terra e me dou por contente, tenho conhecidos que perderam um ano inteiro de renda, um outro chegou a perder sua terra pois tinha financiamento bancário para honrar e sem a renda da usina a terra foi a leilão.
      A justiça sempre salva a pele dos grandões, por vários motivos, adoram alegar que foi pra salvar milhares de empregos, acredite se quiser, o fato é que esse subterfúgio da recuperação judicial é cada vez mais usado por empresários mal intencionados, no final das contas nós pequenos fornecedores é que ficamos no prejuízo, quanto aos bancos não duvide se já estão soltando crédito pra eles de novo. E a diretoria ? Vai bem obrigado, continuam a comer lagosta e tomar champagne francês diariamente e cruzar os céus do Brasil nos jatinhos da empresa.
      Isso é o Brasil, ame-o ou deixe-o.

      Curtido por 3 pessoas

      1. Obrigado por compartilhar Trix. Nos ajuda a entender melhor nosso país.

        Esse setor sucroalcooleiro recebe um oceano de subsídios/auxílios governamentais já há muito tempo. Acho que ele não para de pé por si só. Para mim isso só se explica pelo poder político das famílias herdeiras das antigas capitanias hereditárias. Esse negócio de “redução da emissão de carbono”, “combustível sustentável” é a nova justificativa apresentada.

        Curtido por 1 pessoa

      2. Trix, estou em situação parecida, más já a 2 anos sem receber nada de aluguel e sem poder entrar no imóvel, pois a empresa faliu lá dentro e o mesmo foi lacrado.
        Ainda está deteriorando, literalmente abandonado.
        Tive que contratar advogados, que só me deram “boas” notícias….pra despejo (teria que ser antes da falência), precisava recolher uma taxa referente % do valor do imóvel + oficial de justiça…etc e torcer pra tudo dar certo antes que da falência….
        Agora se eu quiser agilizar a desocupação do imóvel, tenho como única opção pagar as despesas da mudança…algo em torno de 200k.
        Depois disso pretendo nunca mais ter imóvel para locação PF ou PJ.
        Isso é Brasil…a lei ao lado do bandido.

        Curtir

  2. Data da informação
    28/02/2020
    Data-base (último dia de negociação “com” direito ao provento)
    28/02/2020
    Data do pagamento
    13/03/2020
    Valor do provento por cota (R$)
    0,5629
    Período de referência
    fevereiro
    Ano
    2020
    Rendimento isento de IR*
    Sim
    Falei no comentário do FIIP, paga um mês e deixa o outro de pinga

    Curtir

      1. eu sai em ago/18 +- pelo preço que está agora 88 acredito eu. Comentei que a Leader e a ampla eram bombas relogios. Discordaram de mim e falaram: “Tomara que saiam, pq tem seguro contra inadimplencia”. Entao pergunto:O seguro está pagando?

        Curtido por 1 pessoa

      2. Na forma como foi feito à época ninguém sonhava com a situação atual do inquilino.

        Fizeram um seguro que não será usado… pelo menos não integralmente.

        Vai ficar nesse cai e vem… até entrar alguém no lugar rs

        Curtir

      3. ADG,

        Na verdade, as seguradoras costumam condicionar o pagamento do adiantamento da indenização (aluguel) ao ingresso de ação de despejo pelo locador. O X da questão deve ser esse, eu acho.

        Curtir

NOVOS COMENTÁRIOS AQUI: (sem links, emails ou telefones)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s